São Paulo, segunda-feira, 23 de outubro de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

ELEIÇÕES 2006 / PRESIDÊNCIA

2 turno mudou equipes de Lula e Alckmin

Presidente amparou-se em políticos bons de voto; tucano ganhou aliados, mas núcleo de Pindamonhangaba manteve comando

Crise do dossiê implodiu o PT paulista e deu nova estatura a Marta Suplicy, que fora derrotada na prévia por Aloizio Mercadante

MALU DELGADO
JOSÉ ALBERTO BOMBIG

DA REPORTAGEM LOCAL

O escândalo da compra do dossiê alterou o rumo da campanha presidencial e também a correlação de forças no entorno dos dois candidatos, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB).
Como Lula não apostava de fato num segundo turno (a virada ocorreu na véspera do dia 1 de outubro), o caso dossiê foi o responsável pela alteração da dinâmica eleitoral. Lula foi obrigado a mudar quase toda a lógica da coordenação de campanha, a começar pelo comando nacional e em São Paulo.
Do outro lado, Alckmin, que já estava praticamente abandonado pelo PSDB, ganhou fôlego, novos aliados e viu seu grupo se consolidar como uma nova força na oposição. Mas, sem um grande estrategista no time e novato em disputas nacionais, escorou-se na "república de Pindamonhangaba" e viu o PT tirar proveito das críticas às privatizações e do apoio do casal Garotinho ao candidato.
Já Lula amparou-se no núcleo do Planalto, que aos poucos já vinha ganhando a confiança irrestrita do presidente. Teve, ainda, que apostar nos governadores do PT eleitos e foi buscar apoio de prefeitos e aliados "bons de voto".
Conhecido apenas como assessor especial do presidente, coube ao petista Marco Aurélio Garcia apagar o incêndio em plena crise. Ele assumiu não só a coordenação nacional da campanha como também o posto de presidente em exercício do PT, enquanto Ricardo Berzoini caía em desgraça.
A crise do dossiê implodiu o PT paulista e deu nova estatura a Marta Suplicy, derrotada na prévia por Aloizio Mercadante. Petistas com boa interlocução com Lula, mas ainda considerados "marginais" no partido, voltaram à cena com força total e dispostos a mudar a estrutura da máquina petista, projeto semeado após a eleição de 2002 e abandonado pelo excessivo poder dos paulistas no ministério.

Texto Anterior: PF: Delegado toma hoje depoimento de empresário ligado a tucanos
Próximo Texto: Presidente estuda "flexibilizar" gastos sociais
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.