São Paulo, segunda-feira, 24 de julho de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

ELEIÇÕES 2006 / PRESIDÊNCIA

Dirceu diz ser soldado de Lula em ato do MST

Segundo ex-ministro, chamado de "grande guerreiro" e de "injustiçado", povo "não pode titubear" e tem que reeleger presidente

Petista afirma que é vítima de guerra da direita em evento organizado por José Rainha, que teve ainda a presença de José Genoino

CRISTIANO MACHADO
COLABORAÇÃO PARA A AGÊNCIA FOLHA, EM MIRANTE DO PARANAPANEMA

Chamado de "grande guerreiro", "fiel companheiro" e "injustiçado" por líderes sem-terra, sindicalistas e políticos de esquerda do Pontal do Paranapanema (SP), o ex-ministro da Casa Civil e deputado federal cassado José Dirceu pediu votos para Luiz Inácio Lula da Silva e declarou ser um "soldado" na campanha à reeleição.
"Estamos na luta. Não tenho vergonha e sei combater na frente ou na retaguarda, como comandante ou soldado. Aliás, me sinto muito bem como soldado", disse, na 1 Festa do Trabalhador Rural do Pontal, em Mirante do Paranapanema (530 km a oeste de SP), berço do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra).
Organizado por José Rainha, afastado da direção do movimento, o evento também contou com a presença do ex-presidente do PT José Genoino, candidato a deputado federal.
Diferente de Dirceu, o petista que também foi acusado de envolvimento no mensalão não discursou. Questionado sobre a participação no ato, Genoino se limitou a dizer: "Hoje não estou em campanha, estou com meus companheiros".
Já o ex-ministro, aplaudido várias vezes, fez um discurso de 18 minutos e cantou o hino do MST com entusiasmo, segurando as bandeiras do movimento, da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e do PT, que acabara de ganhar numa homenagem por "sua ligação com os movimentos sociais".

"Vítima da direita"
Denunciado pelo Ministério Público Federal pela acusação de envolvimento no mensalão, Dirceu disse ontem ser "vítima da direita". "A pretexto do combate ao caixa dois e à corrupção, a direita burguesa, que sempre governou esse país, queria derrubar e inviabilizar o governo Lula. Para isso travaram uma guerra. E eu sou vítima dessa guerra", disse.
Segundo Dirceu, "nesta eleição o povo não pode titubear". "Há dois caminhos: voltar ao passado dos governos neoliberais ou continuar com o crescimento de emprego, renda, combate à miséria e a busca da integração e a soberania nacional que o presidente Lula está fazendo no Mercosul."


Texto Anterior: Candidatos na Folha: Folha inicia série de sabatinas hoje; Suplicy é 1 entrevistado
Próximo Texto: Entrevista da 2/Francisco de Oliveira: A política interna se tornou irrelevante, diz sociólogo
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.