São Paulo, sexta-feira, 13 de fevereiro de 2004

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

MORTE DE DENTISTA

Acusados confessam que forjaram provas do crime e omitiram informações; três deles são negros

PMs negam racismo e alegam gesto brusco

DO "AGORA"
DA REPORTAGEM LOCAL

Os cinco policiais militares acusados de matar o dentista Flávio Ferreira Sant'Ana, 28, no dia 3, em Santana (zona norte de São Paulo), assumiram ontem, em depoimento à Polícia Civil, que forjaram as provas do crime e omitiram informações ao registrarem o boletim de ocorrência, mas negam que tenham agido movidos por racismo.
A estratégia da defesa do grupo é dizer que foi um homicídio culposo (sem intenção de matar). Dessa maneira, a pena pode ser de três anos -caso o homicídio seja considerado doloso (intencional), pode chegar a 12. "Eles armaram [a versão inicial de resistência à prisão] para tentar escapar do flagrante, mas confessaram tudo. O dentista foi morto porque fez um movimento brusco, e não por ser negro", disse, ontem, o advogado Marcos Ribeiro de Freitas.
A família do dentista diz que ele foi abordado devido à sua cor. Segundo o advogado, três dos cinco PMs são negros: o tenente Carlos Alberto de Souza Santos, 34, e os soldados Ivanildo Soares da Cruz, 35, e Davis Júnior Lourenço, 24.
O grupo diz que um dos soldados disparou contra o dentista porque, ao ser abordado pelos policiais, "ele [Flávio Sant'Ana] virou de forma brusca, fazendo entender que iria puxar uma arma".
O cabo Ricardo Arce Rivera, 27, disse que "plantou" a arma do crime junto ao dentista para simular resistência à prisão. Segundo o advogado, foi Rivera quem colocou a carteira do comerciante Antônio Alves dos Anjos, 29, no bolso do dentista -Anjos confundiu Sant'Ana com um assaltante. O advogado também defende o soldado Luciano José Dias, 24, que teria disparado contra o dentista.
No depoimento, os PMs contaram que, após deixarem o dentista no pronto-socorro do hospital Santana, seguiram ao 13 Distrito Policial, onde apresentaram a versão falsa temendo "sanções administrativas".
Freitas pedirá, na próxima semana, o relaxamento da prisão de Cruz e Lourenço, que teriam apenas ajudado a criar a versão falsa. Junto a Santos -que abordou Flávio e teria disparado contra o chão-, Dias e Rivera -que teria permanecido no carro-, estão presos em um presídio da PM.
O deputado Renato Simões (PT) afirmou ontem que a partir de terça-feira irá coletar assinaturas para a instalação da "CPI da violência policial". Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa, ele se reuniu ontem com o promotor Carlos Cardoso, assessor de Direitos Humanos do Ministério Público Estadual, e representantes da Ouvidoria da Polícia.


Texto Anterior: Trem colide com pedra em Minas
Próximo Texto: Santos: Policiais são acusados de extorsão
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.