UOL


São Paulo, terça-feira, 20 de maio de 2003

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

TRANSPORTE

Apesar de atrasos, falta de veículos e ameaças de depredação, extinção de linhas foi um "sucesso", segundo a prefeitura

Mudanças apresentam "falhas pontuais"

DA REPORTAGEM LOCAL

O grande teste das mudanças no sistema de transporte de SP teve "alguns problemas pontuais", mas foi, do ponto de vista operacional, um sucesso. Esse foi o balanço feito ontem pela prefeitura -que retirou das ruas, no último sábado, 226 linhas de ônibus e lotações. Outras 316 sofreram alterações de número ou nome.
Em dias úteis, o sistema transporta, somando os passageiros que utilizam lotações, 5,2 milhões de pessoas. Cerca de 130 mil usuários foram afetados pelas mudanças, de acordo com a prefeitura.
Segundo a SPTrans (órgão gerenciador do sistema), ontem foram registradas 16 ocorrências, decorrentes de atrasos, falta de veículos em algumas linhas e também de ameaças de depredação. Na zona leste, algumas linhas só conseguiram rodar no início da tarde. Na zona oeste, a linha Jardim Paulo 6-Santo Amaro, operada por uma cooperativa, também foi impedida de rodar por perueiros clandestinos.
O secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, afirmou que as ameaças são obrigação da PM. Ele acredita que outros problemas semelhantes ocorrerão até o final da semana -prazo que a prefeitura se deu para realizar "ajustes".
A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública informou que a PM dá apoio às operações sempre que é solicitada.
A extinção das linhas é o primeiro passo para a implementação do novo sistema de transporte, prevista para julho deste ano.
Nesta primeira semana, viações e perueiros não serão multados.

Panfletos e telefones
Ontem, a distribuição de panfletos aconteceu em terminais e pontos de ônibus. Mil funcionários estiveram nas ruas para orientar os usuários. Segundo a SPTrans, serão distribuídos mais 5 milhões de panfletos até o final de semana. Os telefones 156 e 158 receberam ontem, juntos, até as 16h, 16.221 ligações. Os telefonemas são pagos. Um pulso equivale a quatro minutos e custa R$ 0,10. Se a ligação for feita de telefone público, será descontado um crédito do cartão a cada dois minutos. Também há informações no site (www.sptrans.com.br).
Nas regiões sul e leste da cidade -que concentram o maior número de passageiros- não houve tumulto. Mas algumas pessoas ainda se mostravam confusas.
"Ninguém avisou nada direito. Trocaram as linhas, estou esperando há uma hora e o ônibus não passa. Liguei no 156 e disseram que estava normal. Não está", afirmou a auxiliar de escritório Lenir Rosa da Silva.
"Recebi o folhetinho, mas, honestamente, não estou entendendo nada", disse Flávia Sousa.
(AMARÍLIS LAGE, PALOMA COTES E SIMONE IWASSO)

Leia mais sobre a mudança nas linhas na
www.folha.com.br


Texto Anterior: Há 50 anos
Próximo Texto: Idosos estão entre os mais prejudicados
Índice


UOL
Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.