UOL


São Paulo, terça-feira, 02 de dezembro de 2003

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

PRODUÇÃO

Mesmo superior à deste ano, colheita do próximo ficará abaixo do previsto; estimativa da Conab sai nos próximos dias

Safra de café deve decepcionar em 2004

MAURO ZAFALON
DA REDAÇÃO

O mercado deverá conhecer ainda nesta semana, ou no início da próxima, as previsões da safra de café para o próximo ano. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base em dados coletados pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), confirmará o que parte do mercado também espera: a safra de 2004 não será tão grande como se previa inicialmente.
A safra do próximo ano será superior à atual, mas não atingirá o recorde de 48,5 milhões de sacas conseguidas em 2002, segundo João Paulo de Moraes Filho, superintendente da Área de Produtos da Conab.
Para 2003, a Conab trabalhava com a produção entre 28 milhões e 30 milhões de sacas, mas os dados finais deverão mostrar produção mais próxima da estimativa inferior, diz ele.
Assim como a Conab, o mercado também trabalha com safra menor para 2004. A média das previsões indica volume entre 38 milhões e 43 milhões de sacas.

Polêmica à vista
Divulgação de safra de café no Brasil, no entanto, é sempre uma grande polêmica. As expectativas mais otimistas indicam até 50 milhões de sacas para o próximo ano, enquanto as mais pessimistas apontam para apenas 34 milhões. Tradicionalmente, os produtores puxam os dados para baixo e os exportadores, para cima.
A produção de café segue, em geral, a chamada "bianualidade". Ou seja, uma boa safra é seguida por outra ruim. Essa ruim é substituída por uma boa. Ou seja, 2003 seria o ano da ruim, mas, segundo analistas, foi ainda pior do que se previa, o que provocou a forte queda do PIB (Produto Interno Bruto) agrícola no terceiro trimestre deste ano. A quebra da produção, como deverá confirmar a Conab nesta semana, foi maior do que a esperada.
O excesso de produção em um ano gera estresse na planta, que perde produtividade no ano seguinte. Dentro dessa expectativa, já que a safra foi reduzida neste ano, a de 2004 deveria voltar a ser recorde, na opinião do mercado.
Essa hipótese, porém, está descartada tanto pelos analistas do governo como por exportadores e corretores. Pressionados pelos preços baixos dos últimos anos, muitos produtores deixaram de cuidar do café, o que deve provocar quebra de produtividade, diz Eduardo Carvalhaes Filho, do Escritório Carvalhaes, de Santos.
Com a família há 85 anos no mercado de café, Carvalhaes vê uma mudança de atividade de muitos produtores, que estão trocando a lavoura por laranja, cana-de-açúcar, soja e outros grãos. Por ser uma cultura perene, o café exige muito investimento e não permite uma mudança rápida de posição -como da soja para o milho ou vice-versa.

Seca prejudica
Antonio Reinaldo Caetano, presidente da ACA (Associação dos Cafeicultores de Araguari (MG), confirma essa troca de atividade por muitos produtores e diz que a situação "é delicada". Segundo ele, 10% dos produtores estão com situação financeira boa. Para 20%, a situação é razoável. A maioria, no entanto, está em situação financeira ruim, diz.
Outro fator de quebra da safra foi a ocorrência de seca em algumas importantes regiões. Moraes Filho cita a ocorrida no Espírito Santo, que deverá reduzir a safra de conillon no próximo ano.
Os exportadores também acreditam em quebra de safra, mas não vêem com bons olhos o cenário para o próximo ano. "Além da quebra de safra, temos o represamento interno na oferta de café, o que vem provocando contínua redução nas exportações", diz Guilherme Braga, do Cecafé (associação dos exportadores).
O Brasil deverá fechar este semestre com volume de exportações de 5 milhões de sacas inferior ao do ano passado, diz ele. Parte dessa queda se deve ao represamento interno, que nem ao menos está garantindo bons preços aos produtores, afirma Braga.


Texto Anterior: Mercado financeiro: Bovespa inicia o mês com novo recorde
Próximo Texto: Tecnologia: Governo investe em pesquisa para diminuir problemas com caju
Índice


UOL
Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.