São Paulo, quinta-feira, 14 de junho de 2007

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

PIB sobe 4,3% puxado por consumo e serviço

Consumo das famílias cresce 6% no 1 trimestre, enquanto setor de serviços, outro destaque, avança 4,6% no período

Alta das importações tem efeito contábil negativo, mas ajuda a conter inflação e a elevar investimentos em máquinas, diz IBGE


PEDRO SOARES
DA SUCURSAL DO RIO

FERNANDO CANZIAN
ENVIADO ESPECIAL AO RIO

Puxado por duas forças antagônicas -para cima pela demanda interna e para baixo pelo real valorizado-, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu 4,3% no primeiro trimestre de 2007 na comparação com igual período de 2006.
Já a variação entre janeiro e março sobre o último trimestre de 2006 foi de 0,8%. Em preços de mercado, o PIB nacional alcançou R$ 596,2 bilhões nos primeiros três meses do ano.
Nos últimos 12 meses, o crescimento acumulado é de 3,8%. Em 2006, o PIB cresceu 3,7%.
O grande destaque positivo no PIB do trimestre foi o consumo das famílias, que avançou 6% em relação ao primeiro trimestre de 2006 apoiado em mais renda, emprego e crédito.
Foi o 14 aumento consecutivo e o maior percentual desde o segundo trimestre de 1997 (6,9%).
Esse resultado, principalmente, já levou algumas consultorias a revisar para cima suas expectativas de crescimento da economia neste ano -de 4% a 4,5%.
Na contramão, o setor externo pesou negativamente na contabilidade do PIB. Houve um salto de 19,9% nas importações no trimestre, enquanto as exportações subiram 5,9%.
A contribuição do setor externo foi negativa pelo quinto trimestre consecutivo. Segundo cálculos da consultoria LCA, a economia poderia ter crescido 5,7% no primeiro trimestre sem essa influência, com a ressalva de que as importações trazem também benefícios para o crescimento econômico.
Roberto Luís Olinto, coordenador de Contas Nacionais do IBGE, ressalta que as importações estão garantido que a oferta de bens e produtos no país atenda à maior procura sem pressionar os preços e proporcionando um considerável aumento nos investimentos (outro destaque positivo do PIB), via compras no exterior de máquinas e equipamentos.
"O aumento das importações tem um componente negativo no cálculo final do PIB, mas tem vários aspectos positivos. São prós e contras", disse.
Olinto frisou que o mesmo comportamento de consumo maior das famílias e de aumento das importações vem se repetindo há vários trimestres. "Não devemos ter grandes oscilações. A tendência é de um crescimento ao redor de 1% de um trimestre para o outro."
Além do consumo das famílias, outro destaque positivo no PIB do primeiro trimestre ficou por conta do setor de serviços (alta de 4,6% e melhor resultado desde o final de 2004).
Esse foi o primeiro PIB calculado após mudanças de metodologia do IBGE, que apuram melhor o setor de serviços.
Dentro dos serviços, a intermediação financeira (puxada por mais operações de crédito) aumentou 9,2%. Serviços de informação (com a telefonia celular à frente) subiram 7,3%, e o comércio atacadista e varejista evoluiu 6% -taxa idêntica à apurada no consumo.
A indústria teve desempenho mais tímido no período, principalmente a de transformação. No geral, houve evolução de 3% na indústria, mas no setor de transformação foi de 2,8%.
"É o efeito do câmbio e das importações sobre a indústria", disse Edgard Pereira, economista-chefe do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial).
Já o setor agropecuário apresentou um crescimento de 2,1% na comparação com o primeiro trimestre de 2006, com destaque para a produção de algodão, milho e soja.


Texto Anterior: Mercado Aberto
Próximo Texto: Frases
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.