São Paulo, domingo, 18 de junho de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Sob críticas, Cafu obtém novo recorde

TALES TORRAGA
TONI ASSIS
DA REPORTAGEM LOCAL

Ele fará hoje sua 18 partida pela seleção brasileira em Copas do Mundo. Igualará um recorde que pertence a Dunga e Taffarel, jogadores que mais vezes vestiram a camisa amarela em Mundiais.
Cafu, 36, atleta que mais atuou pela seleção (147 jogos, no total), agregará contra a Austrália mais uma marca expressiva em seu currículo. Mas insuficiente para que alguns de seus antecessores deixem de criticá-lo.
Ouvidos pela Folha, laterais que defenderam a seleção reconhecem o histórico de Cafu na equipe nacional. Mas não enxergam nele um jogador de técnica apurada.
Djalma Santos, lateral-direito do Brasil nas Copas de 1954, 1958, 1962 e 1966, elogia o vigor físico de Cafu, mas vê em Cicinho um jogador de maior habilidade. "Acho que só a experiência faz com que o Cafu siga como titular. O Cicinho já deveria ser preparado para atuar nas próximas Copas", diz Santos, campeão em 1958 e 1962 e reconhecido como um dos melhores e mais completos laterais da história do futebol mundial.
"Eu era um jogador de muito fôlego, como o Cafu. Mas não acho que dê para comparar nosso estilo", esquiva-se o ex-jogador, que é humilde ao eleger o melhor lateral-direito da história do futebol brasileiro. "Para mim, foi o Carlos Alberto Torres...E o Cafu, também."
Carlos Alberto Torres, capitão do tri no Mundial do México, também acha que Cafu fica abaixo dos demais se for levada em conta a condição técnica. "Ele tem um físico muito bom, exerce boa liderança, mas tivemos outros laterais com mais técnica do que ele", fala.
O ex-corintiano Édson, que disputou a Copa do Mundo de 1986, acha que Cafu só se firmou na posição pela carência que o setor amarga nos últimos 15 anos. "Mas ele merece todos os elogios pela pessoa que é e pela persistência", afirma.
"Na minha época havia no mínimo três laterais em condições de serem titulares da seleção. O Leandro, o Zé Teodoro, o Jorginho...Isso não ocorre hoje", completa.
Na contramão vai o lateral-esquerdo Roberto Carlos, que disse recentemente que a história de Cafu na seleção brasileira era melhor até que a de Pelé.


Texto Anterior: Por triunfo, seleção se antecipa a Parreira
Próximo Texto: Brasil é quem menos utiliza os suplentes
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.