São Paulo, segunda-feira, 26 de setembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

MEMÓRIA

Rebeldia durou até derrubada de presidente

DA REPORTAGEM LOCAL

Em março de 2004, insatisfeito com a Confederação Brasileira de Tênis, Gustavo Kuerten iniciou boicote à Copa Davis que durou até a queda do então presidente Nelson Nastás, acusado de irregularidades, entre elas apropriação indébita.
Para peitar a CBT, teve o apoio dos principais tenistas do país, que também se recusaram a jogar o torneio. Flávio Saretta, André Sá e Ricardo Mello deram respaldo a Guga.
Nastás assumiu a presidência da CBT em 1994. A ofensiva para tirá-lo do poder começou em 2003. Jorge Lacerda Rosa, então presidente da federação catarinense, denunciou irregularidades na Justiça. A estratégia era afastar o presidente, pedindo intervenção na confederação e nova eleição.
Em dezembro, o pleito colocou na presidência Rosa, ex-sócio da mãe de Guga.
Mas a volta dos tenistas à Copa Davis ficou ameaçada, já que liminar obtida pela federação do Piauí pôs como interventor na CBT um antigo colaborador de Nastás. Rosa cassou a liminar e, após Larri Passos, ex-técnico de Guga, declinar do convite para ser capitão, chamou Fernando Meligeni. "Não foi um ano perdido. Ganhamos um ano", disse Meligeni.


Texto Anterior: Tênis: Brasil do boicote se resgata da 3 divisão
Próximo Texto: Automobilismo: Nelsinho vence as duas provas de estréia da A1
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.