São Paulo, segunda-feira, 26 de setembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Brasileiro leva a melhor sobre futuro colega

DA REPORTAGEM LOCAL

Durou 12 voltas e teve Rubens Barrichello como vencedor. A briga entre o brasileiro e o inglês Jenson Button, seu companheiro de equipe na BAR a partir do ano que vem, foi um dos principais momentos do GP em Interlagos ontem.
Barrichello ocupava o oitavo lugar quando alcançou o inglês, na 32 volta. A diferença entre os dois era de 1s1. Na 37, caiu para 0s4.
Na 44, o ferrarista superou o adversário na freada para o S do Senna, em manobra que quase deu errado. O carro de Barrichello escorregou, e Button tentou dar o troco. A disputa já valia o sexto lugar, pois Takuma Sato havia parado nos boxes.
"Foi uma briga empolgante, um pouco maluca", disse o brasileiro. "Quando tentei a ultrapassagem, o asfalto estava úmido dentro da curva, mas deu para controlar o carro e seguir na frente."
Após resistir ao ataque imediato do rival, Barrichello abriu vantagem de 1s8 para o inglês em menos de uma volta, mostrando que tinha carro em melhores condições. Até o final, não foi mais ameaçado, mas não conseguiu encostar em Giancarlo Fisichella, o quinto.
Até ontem, o brasileiro era o piloto que havia feito mais ultrapassagens na temporada -18 manobras, uma a mais que o alemão Ralf Schumacher, da Toyota.
Button reclamou do carro, mas comemorou o fato de ter terminado em sétimo e somado mais dois pontos.
"Tivemos alguns problemas com os pneus, que provocavam saídas de traseira e dificuldade para controlar o carro, principalmente na parte final do circuito", lamentou.
Gil de Ferran, diretor esportivo da BAR, gostou do duelo, mas lamentou o mau desempenho dos carros de sua equipe.
"Foi uma briga de alto nível, com os dois pilotos arriscando na hora certa, sem exageros", comentou. "Agora precisamos ver o que aconteceu para o nosso ritmo ter sido lento. Esperamos um desempenho melhor no GP do Japão, que é sempre uma corrida especial para a gente", concluiu o dirigente, sobre o fato de ter a Honda como fornecedora de motores e dona de 45% da equipe. (FSX, TT e TC)


Texto Anterior: Automobilismo: Barrichello, "garotão", se despede em 6
Próximo Texto: Massa quer lutar para ser titular
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.