São Paulo, segunda-feira, 01 de março de 2010

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Comentário/"Pornô - Falcatrua N 18.633"

"Pornô" traz Irvine Welsh a clube do Baixo Augusta

Peça mostra encontro de personagens de "Trainsppoting", dez anos depois

NINA LEMOS
COLUNISTA DA FOLHA

O que aconteceria se os personagens do filme "Trainsppoting", um dos maiores ícones dos anos 90, se encontrassem em 2010? Se eles estivessem em São Paulo, com certeza iriam parar no Baixo Augusta, região famosa por concentrar prostitutas e modernos em clima underground. Na ficção, o encontro inesperado (mas possível) já aconteceu. Está em cartaz no clube Vegas a peça "Pornô - Falcatrua N 18.633", baseada no romance de Irvine Welsh.
Após ganhar fama mundial ao retratar a vida dos heroinômanos sem futuro no romance "Trainspotting", que foi adaptado para o cinema e marcou época, o escocês escreveu "Pornô", no qual os personagens se encontram dez anos depois para um acerto de contas.
Na paulistana "Pornô - Falcatrua N 18.633", dirigida por Gustavo Machado, esse acerto (ou desencontro) é encenado nas dependências de um clube noturno, o Vegas. Os espectadores ficam no centro da pista e os atores passam o tempo todo por eles, criando um clima envolvente que beira a claustrofobia. A escada para a pista subterrânea do clube vira uma cela de prisão, o bar funciona de verdade e moças representam cenas eróticas no palco.
O destino dos personagens faz todo sentido (e combina com a atmosfera de um clube). Renton, que roubou o dinheiro dos amigos, está rico, livre das drogas, mas viciado em mulheres e malhação. Outro deles, o enigmático Sick Boy, cheira cocaína o tempo todo enquanto tenta cuidar do bar de uma tia. Franco está na prisão e sai de lá querendo sexo, só sexo. Ou "o mel da vida", como os personagens falam na peça.
As meninas, bem, elas dividem apartamento e chamam os homens de broxas. Uma delas diz, com orgulho, que "faz cinema", enquanto para ganhar grana faz bico em uma sauna.
O interessante na montagem é perceber que os personagens poderiam, de fato, estar no Vegas. Nada mais 2010 do que a estudante de cinema que quer ser atriz para ser famosa e passa os dias fumando maconha deprimida, folheando revistas de moda e sonhando em ser uma celebridade. Ou o cocainômano que descobre o ecstasy e grita o tempo todo que não é um fracassado. Na peça, por sinal, existem dois xingamentos clássicos: broxa e fracassado. Nada mais contemporâneo (e paulistano) do que isso.


PORNÔ - FALCATRUA N. 18.633

Quando: ter. e qua., às 21h (até 31/3)
Onde: Vegas Club (r. Augusta, 765, Consolação, tel. 0/xx/11/3231-3705)
Quanto: de R$ 20 (meia) a R$ 40




Texto Anterior: Crítica/"Berlim, Texas": Pethit mostra senso estético e sabe ser espontâneo
Próximo Texto: Crítica/"Canções...": Godá é eficiente personagem de si mesmo
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.