São Paulo, segunda, 27 de outubro de 1997.




Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

EXPOSIÇÃO
Manaus exibe trabalhos de um dos pioneiros da fotografia e do documentário na selva Amazônica
Mostra resgata a obra de Silvino Santos

ANA MARIA GUARIGLIA
enviada especial a Manaus

O Centro Cultural Palácio Rio Negro de Manaus (AM) está apresentando a exposição "Silvino Santos - O Cineasta da Selva", focalizando a obra fotográfica e pioneira do artista, que retratou a Amazônia nos primeiros vinte anos deste século.
Ao lado da fotografia, Santos também é considerado pioneiro do documentário, com "Rio Putumayo" (1913/4), que transformou a Amazônia em um grande cenário cinematográfico.
O acervo de Santos, com mais de mil fotos, é a mais importante documentação iconográfica do período relativo ao ciclo da borracha.
Pode ser visto e consultado no Museu Amazônico, da Universidade do Amazonas, e na Associação Comercial do Amazonas.
Histórico
Silvino Simões dos Santos e Silva (1886-1970), nascido em Portugal, chegou ao Brasil com 11 anos.
Em 1913, foi para Paris para conhecer o estúdio Pathé Frères e o laboratório dos irmãos Lumière, pioneiros do cinema. Ao regressar, decidiu filmar e fotografar a Amazônia. Apesar das notícias sobre o massacre de centenas de índios na batalha pela extração do látex, a riqueza gerada pelo ciclo da borracha fez surgir grandes fortunas.
Esse fato deu ao fotógrafo a oportunidade de desenvolver suas atividades. Para reverter as notícias sobre os massacres, Júlio Cesar Arana, imperador da borracha na época, o contratou para realizar um filme sobre sua empresa.
Mesmo com a decadência do ciclo da borracha, o fotógrafo permaneceu ao lado dos seringueiros, que acabaram se tornando os financiadores de seus sonhos.
Santos improvisou verdadeiros laboratórios em plena selva, utilizando troncos ocos para revelar os filmes.
Em 1923, em uma de suas viagens financiadas, Santos foi para o Rio de Janeiro e produziu "Terra Encantada".
Nos anos 60, foi redescoberto por cineastas de Manaus e homenageado no 1 Festival Norte de Cinema (o primeiro e único promovido na cidade, em 1969).
Meses antes de morrer, Silvino Santos revelou suas memórias no "Romance de Minha Vida", cujos manuscritos inspiraram a mostra. A exposição está programada para visitar as principais capitais do país.

Exposição: Silvino Santos - o Cineasta da Selva Onde: Centro Cultural Palácio Rio Negro (av. 7 de setembro, s/n, Centro, tel. 092/622-2840) Quando: Ter. a dom., das 12h às 21h; até amanhã Quanto: Entrada franca


A jornalista Ana Maria Guariglia viajou a Manaus a convite da Kodak


Texto Anterior | Próximo Texto | Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Agência Folha.