São Paulo, terça-feira, 03 de julho de 2007

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

PAINEL DO LEITOR

O "Painel do Leitor" recebe colaborações por e-mail (leitor@uol.com.br), fax (0/xx/11/3223-1644) e correio (al.Barão de Limeira, 425, 4º andar, São Paulo-SP, CEP 01202-900). As mensagens devem ser concisas e conter nome completo, endereço e telefone. A Folha se reserva o direito de publicar trechos.

Leia mais cartas na Folha Online
www.folha.com.br/paineldoleitor

Tropa de Choque "A Folha, na edição de 1º/7, fez grande injustiça comigo ao incluir-me, com foto e tudo, numa suposta "Tropa de Choque de Renan" (Brasil, pág. A6). Não integro nenhuma "tropa", a favor ou contra. Protocolada a representação contra o presidente do Senado, declarei à imprensa que não fazia prejulgamento. Essa foi a posição responsável da nossa bancada, defendida no Conselho de Ética pelo voto em separado do senador Marconi Perillo.
Foi com base nesse voto e em outros dois no mesmo sentido que o conselho deixou de aprovar, na hora, o relatório do senador Epitácio Cafeteira, ouviu duas testemunhas -o advogado da jornalista Mônica Velloso e o empregado da empreiteira Mendes Júnior Cláudio Gontijo- e pediu à Polícia Federal que fizesse perícia nos documentos da defesa. Depois, a bancada indicou seu próprio líder, o meu nome, para presidir o conselho, na vaga aberta com a renúncia do senador Sibá Machado, e eu anunciei que, eleito, designaria um dos mais respeitáveis petistas, Aloizio Mercadante, para relator. Essa solução, contudo, não logrou obter consenso. Nossa posição continua a mesma: queremos julgamento pelo Conselho de Ética e investigação séria e transparente. Não protegemos ninguém."
ARTHUR VIRGÍLIO, senador e líder do PSDB, (Brasília, DF)

Congresso
"Depois de presentear o país com Renan, Roriz e Quintanilha, entre outros, o mínimo que o PMDB pode fazer é colocar Pedro Simon na presidência do Senado. Porém, analisando o histórico do partido e o jogo político do presidente Lula, devemos nos preparar para a posse de mais um "homem honrado"."
ALFREDO CASEIRO, (São Paulo, SP)

"Como pode o deputado Leomar Quintanilha (PMDB-TO) presidir a Comissão de Ética do Senado, uma vez que ele enfrenta processo no STF por suspeita de corrupção? É a raposa tomando conta do galinheiro. Que moral tem esse senhor para decidir em nome da ética o que é certo ou errado? O que causa asco e revolta é ver os deputados do PSDB calados diante dessa afronta à inteligência dos brasileiros."
IZABEL AVALLONE, (São Paulo, SP)

Anestesia
"Muito adequada a metáfora de que se valeu Fernando Barros e Silva ("Lula e o açougue de Renan", Opinião, pág. A2 de ontem) sobre estarem os brasileiros anestesiados pelo presidente. Falta saber qual será a intervenção cirúrgica e se o paciente sobreviverá à operação em mãos de tal anestesista, como sempre irresponsável por suas seqüelas. Com a degeneração institucional a que chegou o país, ou se tolhe agora ou será o descalabro da deterioração social. Falta governo. Sobram improvisação e exibicionismo."
LUIZ ANTONIO SAMPAIO GOUVEIA, advogado (São Paulo, SP)

"Arraiá do Torto"
"Pelo quarto ano consecutivo, o presidente Lula realizou a festa junina da residência oficial da Granja do Torto. Os participantes do "Arraiá do Torto" são ministros, políticos, familiares e amigos, que, nessa data, se vestem originalmente de caipiras para mostrar que sabem comandar uma quadrilha.
E quando a fogueira está acesa: a dança vai começar; formem os blocos; entrem os compadres; preparem o chapéu de palha e coloquem os dólares na cueca; peguem o seu mensalão e entrem no caminho da festa; relaxem e gozem; cuidado com a CPI; todos com as mãos para cima; salvem as sanguessugas; olhem o apagão; cuidado com a Navalha. E, por fim: deu bingo! Essa é uma festa pai-d'égua."
FRANCISCO RIBEIRO MENDES, (Brasília, DF)

Pílula do dia seguinte
"É lamentável que um médico e deputado federal, como o Dr. Talmir Rodrigues, seja tão grotescamente desinformado ("O direito de viver", Tendências/Debates, 30/06). Não há nenhuma publicação médica que demonstre risco de má-formação fetal com o uso da pílula do dia seguinte (levonorgestrel). Além disso, afirmar que "as mulheres poderão se tornar inférteis para o resto de suas vidas" ao usar o medicamento não passa de sensacionalismo irresponsável.
Há, entretanto, uma contribuição no texto: mostrar o risco que corremos na tentativa de discutir seriamente questões de saúde reprodutiva com alguns de nossos deputados federais, mesmo médicos."
THOMAZ RAFAEL GOLLOP, livre-docente em genética médica pela USP (São Paulo, SP)

"Raça inferior"
"Esse ciclo de violência de parte da juventude de classes abastadas contra as menos favorecidas no Rio é emblemático. Mostra um profundo e nefasto preconceito contra a "raça inferior", como já foram considerados judeus, ciganos, negros e, agora, os pobres. Mudar essa patológica "herança" na sociedade é tarefa de nós todos, se desejarmos ter uma paz social duradoura."
JOSÉ DE ANCHIETA NOBRE DE ALMEIDA (Rio de Janeiro, RJ)

Lixo radioativo
"Por essa a Academia Brasileira da Cachaça não esperava. Enquanto a Orquestra Imperial abre a quinta edição do Flip [Festa Literária Internacional de Parati], piratas planejam invadir a cidade histórica de Paraty. Como num conto fantástico de Jorge Luis Borges, a vila de traçados maçônicos, antigo caminho do ouro, poderá ser escolhida para depósito de lixo radioativo. Uma idéia tão etílica que nos leva a imaginar ter vindo de algum governante cheio de Paraty na cabeça. No caso, a famosa aguardente Paraty."
ROBERTO VIEIRA, (Camaragibe, PE)

Etanol
"Quando Lester Brown critica o uso de milho para obter o álcool, tem toda a razão (Entrevista da 2ª, ontem), pois já sabemos que essa tecnologia não tem como prosperar sem subsídios e competição com alimentos. No caso brasileiro, a situação é diferente e não há invasão da floresta mais do que em qualquer outro uso agrícola. Não confundamos falta de fiscalização e controle com necessidade de desmatar para plantar cana."
ADILSON ROBERTO GONÇALVES, professor doutor da Escola de Engenharia de Lorena (Lorena, SP)

Pedágios
"Sobre a carta do leitor José Humberto Lopes (01/07), a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) esclarece que o ISS, imposto que passou a incidir sobre os pedágios a partir de 2000, não incide sobre o valor das tarifas. O reajuste do pedágio é calculado de acordo com o IGP-M acumulado entre junho do ano anterior e maio do ano vigente, conforme previsto nos editais das concessões."
RAFAELA PIRES, assessoria de imprensa da Artesp (São Paulo, SP)

Leia mais cartas na Folha Online
www.folha.com.br/paineldoleitor

Serviço de Atendimento ao Assinante: 0800-775-8080
Grande São Paulo: 0/xx/11 3224-3090
www.cliquefolha.com.br

Ombudsman: 0800-15-9000
ombudsman@uol.com.br
www.folha.com.br/ombudsman



Texto Anterior: Ronaldo Lemos: TV digital e a cópia da programação

Próximo Texto: Erramos
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.