São Paulo, sábado, 10 de fevereiro de 2001

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

O chão e o céu

ANELITO DE OLIVEIRA

Pelo gosto do Simbolismo, especialmente de sua vertente francesa, a poesia só teria a ver consigo mesma, com o mundo interior de um artista concebido quase como uma entidade divina. Mas a grande surpresa é que a escrita de Cruz e Sousa (1861-1898), principalmente aquela que se configurou como lírica, não consegue se desvincular da realidade social e se afirmar como um artefato puro, apesar dos esforços iniciais do entusiasmado poeta egresso da província do Desterro (Florianópolis). A impureza, inerente ao mundo, insiste em perturbar seu texto límpido, tal qual uma sombra evitada e desejada ao mesmo tempo. Evitada pelo poeta, na sua vontade incontida de se ver reconhecido como artista requintado, e desejada pelo homem que, intuitivamente, talvez vislumbrasse nessa sombra uma inscrição de sua condição de negro e pobre.
Vista a partir do ideal asséptico dos parnasianos, esse índice de impureza não significou, para os primeiros críticos de Cruz e Sousa (principalmente José Veríssimo, mas também Araripe Jr.), nada mais que um defeito da forma. Foi preciso chegar a década de 40 para que Roger Bastide abrisse um horizonte mais amplo para a compreensão da obra sousiana, evocando a problemática do sujeito, da cultura, da simbologia, do conhecimento etc. Nos anos 60, Massaud Moisés aparou as arestas da abordagem de Bastide no que diz respeito à fixação do poeta na cor branca. E, desde então, passou a fazer falta um olhar não-extremista, capaz de operacionalizar o dentro e o fora em Cruz e Sousa.
Finalmente, estamos assistindo ao surgimento desse olhar em textos como "Sob o Signo de Cam", de Alfredo Bosi (em "Dialética da Colonização", Cia. Letras), "A Noite de Cruz e Sousa", de Davi Arrigucci Jr., (em "Outros Achados e Perdidos", idem) e, agora, o de Ivone Daré Rabello.
Como o próprio título já anuncia, Rabello se detém no centro da problemática que uma poética como a simbolista, praticada num país periférico, não poderia deixar de despertar: o relacionamento entre linguagem artística e realidade social. Perpassa sua análise a intenção de demonstrar o drama de uma sociedade dentro de um código artístico cuja proposta é dizer o indizível, aquilo que aparentemente não faz parte do cotidiano das pessoas comuns. No entendimento da ensaísta, os "elementos da vida social" entram na "poética do indizível" porque o sujeito lírico nasce do homem que está com os pés na história, ao "rés-do-chão".
Animada pela premissa adorniana de que "os antagonismos não resolvidos da realidade retornam às obras de arte como os problemas imanentes da sua forma", Rabello desenvolve uma abordagem minuciosa de alguns dos poemas mais significativos do simbolista, a começar por dois do livro "Faróis", aparecido em 1900, após a morte do poeta.
No primeiro, o soneto "Flores da Lua", a ensaísta atesta a convivência desarmônica entre elementos próprios da poética parnasiana, que então dominava o ambiente, e da simbolista, nova sensibilidade que emergia a contrapelo. No segundo, o longo poema "Luar de Lágrimas", Rabello demonstra a perturbação da forma em consequência da figuração do que chama de "experiência da desventura" por parte do poeta. De um para outro poema, observa-se uma profunda alteração no modo de orquestrar o poético, sem que o poeta, no entanto, altere o seu modo de percepção.
Recusando-se a abrir mão de sua imagem do artista como entidade sublime, Cruz e Sousa permanece numa posição de contemplação do "inefável", resistindo, de certa forma, à adesão ao "infando", àquilo que não se lhe apresentaria como digno de ser dito, mas que é parte fundamental de sua existência, do meio social em que se encontra. Todavia, à medida que o poeta se move para o "centro do inefável", o "infando", por influência do horrendo Baudelaire de poemas como "Les Phares", acaba se fazendo "signo", o que se daria ainda em "Flores da Lua", poema que emite um "estranho halo", um "misto de luz e sombra". Esse "halo de luz" desempenharia duas funções, internamente relacionadas: permitir o "acesso ao conhecimento visionário", tal como em "Flores da Lua", e clarear o que está abaixo do "mundo sidéreo" contemplado em "Luar de Lágrimas", o mundo real, digamos.
Deslocando as peças do jogo textual de Cruz e Sousa, procurando visualizar as relações mais internas do poema, a ensaísta mostra o rol de tensões que marca a assimilação do "chão da história" por parte da sensibilidade simbolista, platônica, como quis Bastide, do poeta. A "angústia", a "perturbação da subjetividade", "a contradição", "o desconsolo" e "o despedaçamento dos esforços do eu" seriam alguns índices dessas tensões apontados ainda em "Luar de Lágrimas". Essas tensões evidenciariam que o poeta está no "chão da história", na iminência de "lutar pela expressão de seus demônios", mas esses não seriam apenas dele, motivo pelo qual Cruz e Sousa nos forneceria "uma visão exemplar da vida cultural nesse Brasil do 2 Império e inícios da República, tanto mais pelo fato de destoar do previsto e do imprevisível, situando-se nos meios tons que não alcançam brilho com facilidade".
Assim, Ivone Daré Rabello, em movimento oposto ao de grande parte dos estudos sobre Cruz e Sousa, reencontra o social por meio de um tensionamento quase obsessivo do textual, mostrando que o trabalho artístico não mantém uma relação de subserviência com a realidade, mas uma relação dialógica e, no limite, dialética. Tudo o que constitui o contexto do poeta negro -a escravidão, o abolicionismo, as disputas entre literatos, a pobreza, a discriminação etc.- concorre para a configuração do seu poema, mas a forma final que esse poema assume não é compreensível apenas pelo viés do contexto, como se essa forma fosse cópia mal-acabada do lugar onde foi produzida ou arremedo de uma fôrma poética canonizada. A razão da forma se revela a partir de uma leitura, tanto quanto possível, simultânea de texto e contexto, à medida que não se confere privilégio excessivo a uma parte em detrimento da outra.


Anelito de Oliveira é poeta e ensaísta, editor do "Suplemento Literário de Minas Gerais" e autor de "Lama" (Orobó Edições).

Entre o Inefável e o Infando
Ivone Daré Rabello
Fundação Catarinense de Cultura
(Tel. 0/xx/48/333-0848)
144 págs., R$ 10,00


Texto Anterior: A vida no deserto refrigerado
Próximo Texto: Já não é a alma que fala
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.