Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/10/2012 - 04h50

Jurado 'C' coloca Prêmio Jabuti em xeque

Publicidade

DE SÃO PAULO

Fraude ou uma escolha honesta, dentro das regras, para definir o vencedor?

Crítico tido como severo é jurado 'C' do Jabuti

A revelação pela Folha, na quarta (24), da identidade do jurado "C" do Prêmio Jabuti --o crítico e editor Rodrigo Gurgel-- e das mudanças em sua avaliação dos mesmos romances nas duas fases da disputa esquentaram o debate sobre a premiação.

Para impor seus votos, Gurgel deu, na segunda fase do prêmio, notas zero a livros que ele mesmo tinha avaliado bem na fase inicial, caso de "Mano, a Noite Está Velha", de Wilson Bueno.

No dia 18, na apuração dos votos que deram vitória na categoria romance a "Nihonjin", do iniciante Oscar Nakasato, descobriu-se que favoritos receberam do jurado "C" notas muito baixas, como 0 e 1,5, numa escala de 0 a 10.

"Ele acredita que seu papel é definir quem vence. E fez isso dentro das regras", defendeu no Facebook o escritor Rogério Godinho.

No blog Todoprosa, no site da "Veja", o escritor Sérgio Rodrigues disse considerar um "despropósito" admirar a atitude do jurado "C", "como tenho visto acontecer".

"O mesmo resultado poderia ter sido atingido com a atribuição de notas em torno de 5 ou 6, que seriam defensáveis criticamente. As notas entre 0 e 1,5 parecem ter obedecido não só ao desejo de conceder o prêmio a iniciantes mas também ao de ver o circo pegar fogo", avaliou.

Pascoal Soto, diretor editorial da LeYa, disse que o caso abala o Prêmio Jabuti.

"Os critérios são bem duvidosos. Achei tão grotesco que me deu tristeza perceber que o prêmio de maior prestígio do nosso mercado literário tenha um jurado desse nível."

Para o crítico e tradutor Eduardo Sterzi, a palavra para definir o caso é fraude. "O cara assumiu um compromisso e não cumpriu; pior, avacalhou com o compromisso assumido", argumentou.

Rogério Pereira, editor do suplemento "Rascunho", com o qual Gurgel colabora, argumenta que o crítico "faz um trabalho sério e criterioso" e que, "no prêmio, deve ter se guiado pelo mesmo padrão".

Os jurados do Jabuti não podem se manifestar até 28/11, quando sai o resultado final.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página