DA AFP

O baterista do Pink Floyd, Nick Mason, e o cantor Billy Bragg participaram nesta quarta-feira (10) de um ato em frente ao Parlamento britânico para salvar as salas de shows do país que contou com o apoio de Paul McCartney.

Cerca de 35% dos pequenos clubes e salas de música do país fecharam na última década, devido a gentrificação de muitos bairros, aos altos aluguéis, às mudanças na indústria musical e à pressão crescente dos vizinhos.

"Qualquer banda ou artista que queira viver disso necessita deste escalão baixo", disse Mason à "AFP", apoiando um projeto de lei para frear o declínio do setor.

"As melhores bandas de hoje aprenderam o ofício em salas pequenas. Você aprende tudo, coisas técnicas, a teatralidade e a se relacionar com o público", acrescentou.

O ex-Beatle Paul McCartney também se uniu à campanha, com um comunicado em que assegurou que "se não apoiarmos a música nesse nível, então o futuro da música em geral corre perigo".

Mais da metade das 430 salas que existiam em Londres em 2007 fecharam suas portas.

O deputado trabalhista e ex-ministro John Spellar apresentou um projeto de lei que protegeria estas salas de conflitos com os vizinhos quando novos edifícios são construídos ao lado delas, um dos fatores mais ameaçadores.

O cantor do grupo punk Undertones, Feargal Sharkey, e a ganhadora do festival Eurovisão em 1967, Sandie Shaw, estavam entre a centena de pessoas que se manifestaram diante do Parlamento.

"Se você é um músico hoje, as possibilidades de ganhar a vida e gravar discos são escassas, é muito difícil", disse Bragg à "AFP". "Há um monte de bons músicos por aí que estão tentando encontrar espaços neste entorno hostil".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.