Descrição de chapéu música

Após cinco anos, Justin Timberlake lança álbum frustrante

Inevitável comparação com Bruno Mars realça fraqueza de composições

Thales de Menezes
São Paulo

Depois de década e meia louvado como o herdeiro legítimo de Michael Jackson, Justin Timberlake teve seu novo álbum anunciado como uma volta às origens. No caso, não o pop rasteiro de sua antiga boy band NSYNC, mas, supostamente, a música country do Tennessee, onde nasceu há 37 anos.

"Man  of  the  Woods" foi lançado e, se era para ser uma volta a alguma coisa, melhor seria esboçar um retorno ao pop perfeito de "Future Sex/Love Sounds", seu álbum de 2006. O que aparece no novo disco é um Timberlake dividido entre o artesão de canções balançadas e um artista titubeante numa mistura esquisita com mais guitarras e violões.

Essas inovações patinam, não vão a lugar nenhum. Não é country, nem mesmo "Say  Something", dueto com o ótimo Chris Stapleton, astro caipira americano que faturou todos os prêmios do gênero no Grammy, no mês passado.

Justin Timberlake durante show no festival Pilgrimage, em Franklin, Tennessee, em 2017
Justin Timberlake durante show no festival Pilgrimage, em Franklin, Tennessee, em 2017 - Amy Harris/Invision/Associated Press

Essas músicas fora da trilha pop habitual não empolgam, quando não são ruins de verdade. Caso de "Flannel", talvez a pior coisa que ele já gravou.

"Man  of  the  Woods" vem com 16 faixas. Se Timberlake jogasse meia dúzia no lixo, ou, melhor dizendo, descartasse essas tentativas de soar diferente, ficaria com um bom álbum pop.

Mas mesmo essa hipotética seleção das dez melhorzinhas não salvaria o cantor de críticas. Ele é um artista que grava pouco, são apenas três trabalhos de 2002 para cá, e os fãs têm toda a razão de querer algo mais animador depois de cinco anos de espera desde "The 20/20 Experience".

E o resultado é frustrante.

O maior problema de Timberlake tem nome e sobrenome: Bruno Mars. O terceiro álbum do cantor havaiano, "24K  Magic", chegou um ano antes e trouxe algumas faixas de tão requintada arquitetura pop que bem poderiam ser o estágio atual de Timberlake. Acabam mostrando como "Man  of  the  Woods" soa frouxo.

"Filthy" e "Sauce", apostas como singles, chegam a irritar com a batida repetida para entrar à força na cabeça do ouvinte. Não são todas ruins, mas falta brilho até em momentos mais dignos, como a balançada "Midnight Summer Jam" ou a balada "Morning Light", outro dueto, dessa vez com a sempre boa Alicia Keys.

Justin Timberlake deve ir para a estrada e mostrar, novamente, que é um showman. Para costurar uma apresentação que levante a plateia, irá precisar dos antigos hits. Se ele demorar mais cinco anos para lançar coisa melhor, o trono do pop será coisa do passado.

 

MAN  OF  THE  WOODS
ARTISTA Justin
Timberlake
GRAVADORA Sony Music
QUANTO R$ 35
AVALIAÇÃO regular

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.