Descrição de chapéu Crítica

Trama esquemática empobrece thriller de motoqueiros

Cena de "Motorrad", de Vicente Amorim
Cena de "Motorrad", de Vicente Amorim - Divulgação
Alexandre Agabiti Fernandez
São Paulo

Depois da desigual cinebiografia "Irmã Dulce" (2014), Vicente Amorim está de volta com uma proposta completamente diferente e pouco usual nas produções nacionais: um filme de ação carregado de suspense e com doses de violência "gore".

A longa sequência inicial, sem diálogos, em que Hugo (Guilherme Prates) rouba um carburador em um ferro-velho para colocar em sua motocicleta já define a estética do filme e procura fisgar o espectador manipulando o suspense.

Isso é feito com enquadramentos vindos das histórias em quadrinhos; uma fotografia em que as cores aparecem rebaixadas, próximas do preto e branco --prefigurando algo soturno, que não tardará a chegar--, e uma montagem trepidante.

Com a moto completa, Hugo finalmente pode se juntar ao grupo de amigos liderado por Ricardo (Emilio Dantas), seu irmão mais velho.

A turma sai para fazer um passeio por uma trilha, até uma cachoeira. No caminho, eles encontram a indecifrável Paula (Carla Salle), uma garota que Guilherme havia conhecido no ferro-velho, que sugere outro destino nas redondezas, um lago.

Os problemas começam pouco depois, quando surgem quatro motoqueiros vestidos de preto, cujos rostos nunca veremos. Por uma razão jamais elucidada, o quarteto persegue implacavelmente o grupo de amigos nesse lugar remoto e inóspito.

O passeio se transforma em excursão aterrorizante, em luta pela sobrevivência marcada por uma violência crescente.

As paragens acidentadas e pedregosas da serra da Canastra se mostram como um labirinto, uma armadilha: os amigos logo se perdem e ficam à mercê dos motoqueiros, que às vezes parecem ter o sobrenatural poder de aparecer e desaparecer, mas isso tampouco é esclarecido.

A caça ao grupo de amigos ocupa bastante espaço na narrativa e aqui tudo é fluxo, movimento frenético. O acosso é filmado com virtuosismo, explorando a velocidade das motos, quedas e saltos.

A trama é propositalmente esquemática, com personagens pouco desenvolvidos --criados pelo quadrinista brasileiro Danilo Beyruth-- e poucos diálogos, pois o que interessa é a ênfase na ação constante.

E é exatamente por isso que o filme derrapa.

Ao se deleitar com a perseguição e a violência, a narrativa despreza algumas perguntas importantes, cujas respostas poderiam enriquecer o filme, oferecendo novos sentidos.

MOTORRAD

DIREÇÃO Vicente Amorim

ELENCO Guilherme Prates, Emilio Dantas, Carla Salle, Juliana Lohmann

PRODUÇÃO Brasil, 2017, 16 anos

QUANDO em cartaz

AVALIAÇÃO regular

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.