Descrição de chapéu
William Waack

Após seu quase degredo, William Waack volta às telas com jeito de youtuber

Demitido da Globo por comentário racista, jornalista estreia programa na internet

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Retrato em múltipla exposição de William Waack, durante o 2º Encontro Folha de Jornalismo   - Adriano Vizoni - 19.fev.18/Folhapress
São Paulo

PAINEL WW

É quase outro William Waack, esse que se assiste hoje por diversas plataformas digitais, entre elas um canal de YouTube, um perfil de Facebook e o site InfoMoney.

É um apresentador que sorri mais, que se irrita e brinca sem constrangimento diante dos intermináveis erros técnicos da produção.

Parece exultante apenas por estar ali, tendo beirado o degredo profissional após a veiculação de uma piada racista, em que reagiu a uma buzina que o incomodava dizendo ser "coisa de preto".

Nos EUA e noutros, não teria retorno, mas, por aqui, é publicamente festejado por ex-colegas de Globo como Fausto Silva e Pedro Bial.

É questionável que tenha, como disse na primeira aparição, ainda se atrapalhando com a música de abertura, "total decisão, controle e autonomia". Ou "nenhum chefe".

Seu Painel WW, que inclui um programa semanal como aquele que fazia na GloboNews e vídeos diários de comentários, é patrocinado pela corretora XP Investimentos, que introduz o mesmo comercial repetidamente nos intervalos desnecessários.

Mais que isso, seus comentários diários são parte do InfoMoney, site da própria XP —semelhante ao Antagonista, ligado à corretora Empiricus.

Após duas semanas de programação, assistida até a última quinta (26), sente-se falta de política internacional, até então sua especialidade.

Ao tratar da alta dos juros e do petróleo no exterior, num dos comentários diários, quase se desculpou: "Vou aproveitar um pouquinho de calmaria na política brasileira e chamar a atenção de vocês para o que está acontecendo lá fora. É importante".

A pauta que tem agora é a política brasileira. Foi o que abordaram as duas primeiras edições do Painel WW, que repetiram a estrutura do programa que tinha no canal de notícias, GloboNews Painel.

O apresentador até confundiu o nome, numa primeira menção, rindo de si mesmo, além de observar, sobre os debatedores: "Os participantes vocês já conhecem, de programas antigos".

O tom algo professoral, condescendente e modorrento dos convidados não funciona na internet como na televisão —onde também entediava, mas com menor estranheza, por serem quase todos assim no canal, fora o noticiário cotidiano.

Mas os erros constantes, de microfonia e até uma campainha que dispara do nada, ajudam a vencer o tédio até que, no terceiro e último bloco, entra a grande novidade: Waack entrega o poder sobre as perguntas para a plateia de universitários.

O efeito é muito diverso daquilo que, na GloboNews, levou à piada de que o canal não precisaria de tantos apresentadores, comentaristas e convidados, porque "todos têm a mesma opinião".

Levantadas por alunos de Uninove e Unip, nas duas primeiras edições, as perguntas introduziram temas ausentes do debate formal até ali, como redes sociais, desequilíbrio na Justiça e fake news.

O resultado são respostas menos óbvias dos três participantes formais.

Quaisquer que sejam as razões, talvez o impacto do episódio "coisa de preto", a distância da Globo ou a simples consciência de estar na internet, é evidente que o apresentador está mais à vontade, desligado do embate ideológico de antes.

Nos comentários diários, gravados por uma câmera limitada diante do que parece ser sua estante de livros, sem gravata e aparentemente sem maquiagem, opinando sobre a conversa do dia na política brasileira, é um youtuber.

Não PC Siqueira ou Felipe Neto, mas desenvolto, improvisando sem travas. Pode-se concordar ou não com ele.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.