Descrição de chapéu Moda

João Pimenta embala identidade rural em verniz de luxo

Estilista olha o campo para criar coleção de xadrez e chita

Pedro Diniz Giuliana Mesquita
São Paulo

Entre os maiores preconceitos da moda nacional com a própria cultura está o uso da chita, tecido fino de algodão estampado com flores. Também a roupa dita caipira: um xadrez de festa junina e blusas com ombros arredondados. João Pimenta, em sua estreia na passarela feminina, dá uma aula de brasilidade em uma das coleções mais elegantes desta temporada.


Todos esses elementos que flutuam no limbo da prepotência das marcas de luxo receberam verniz suntuoso, com bases de seda, lã e lã fria.

Era de se esperar que muito da identidade inventiva das roupas masculinas do designer estivessem presentes. Surpreende, no entanto, a sensibilidade de passear entre dois mundos tão bem. A alfaiataria, ponto-chave do masculino do estilista, foi acinturada, recebeu forros do xadrez junino e foi combinado às flores da chita aplicadas em bordados de brilho.

O avental usado pelas mulheres do campo virou roupa de festa, com detalhes plissados e fendas. “Os aventais são odiados porque representam a mulher na cozinha. Quis ressignificá-lo”, diz o estilista.

Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil e que já apareceu bordada em coleção passada do designer, nesta foi colada no coração das roupas dessa “roça chique” proposta por Pimenta versão feminina, umas das melhores surpresas da renovação do calendário. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.