Justiça autoriza arrombamento de apartamento de João Gilberto

Tribunal afirma que medida tem intuito de salvaguardar a saúde do cantor 

Amanda Nogueira Marco Aurélio Canônico
São Paulo e Rio de Janeiro

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio autorizou nesta terça-feira (3) o arrombamento da porta do apartamento onde mora o cantor e compositor João Gilberto, no Leblon, bairro da zona sul do Rio.

A decisão do juiz Renato Lima Charnaux Sertã, da 5ª Vara de Órfãos e Sucessões, atende a um requerimento de Bebel Gilberto, filha do músico.

Segundo o TJRJ, o cumprimento da medida visa salvaguardar a saúde do cantor e será feito com todas as cautelas necessárias. O processo corre em segredo de justiça.

Trata-se de mais um episódio de uma disputa familiar que envolve os filhos mais velhos de João Gilberto, Bebel Gilberto e João Marcelo, e Cláudia Faissol, mãe da caçula do músico, Luiza.

Em comunicado à imprensa, Claudia  Faissol afirmou que não irá tratar publicamente de sua vida pessoal e de sua relação com João Gilberto. Procurada pela reportagem, Bebel Gilberto também não se pronunciou.

INTERDIÇÃO

Em novembro, Bebel Gilberto conseguiu na Justiça a curatela provisória do pai por 120 dias, período já prescrito. Com a interdição, a cantora argumentava ter como objetivo a gestão pessoal, patrimonial e financeira do artista.

A interdição é uma medida judicial para pessoas declaradas incapazes para atos da vida civil, como movimentação financeira e assinatura de contratos.

O músico acumulou dívidas após cancelar uma turnê que faria em 2011, alegando problemas de saúde. Como recebera adiantamentos milionários e não os devolveu, foi processado e perdeu.

O atrito entre os filhos e Faissol se agravou após o artista assinar, sob influência de Claudia Faissol, um contrato de empréstimo milionário com o banco Opportunity

Pelo empréstimo, o banco levou 60% dos direitos autorais dos quatro primeiros discos de João, tornando-se responsável por administrá-los.

O Opportunity também assumiu uma briga judicial que se arrasta há mais de 20 anos, contra a gravadora EMI, por royalties não pagos e lançamentos de CDs não autorizados, e ficará com metade da indenização, que ainda será determinada pela Justiça.

Os filhos mais velhos, que vivem em Nova York, acusam Faissol, que é a pessoa mais próxima de JG no dia a dia, de estar induzindo o cantor a tomar más decisões artísticas e financeiras.

Faissol, por sua vez, afirma que João Gilberto sempre fez questão de tomar decisões sozinho. "Aqueles que o conhecem sabem que ele nunca teve empresário, agente ou produtor, e que sempre conduziu sua carreira de forma própria e singular, sem admitir interferência de quem quer que fosse", diz.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.