Descrição de chapéu Artes Cênicas Livros

Morre escritora e dramaturga Edla van Steen, viúva de Sábato Magaldi

Ela tinha 82 anos e sofreu um infarto; estava internada no hospital Samaritano, em São Paulo

A escritora e dramaturga Edla van Steen em 2010 - Rafael Andrade/Folhapress

Morreu na manhã desta sexta-feira (6), em São Paulo, a escritora e dramaturga Edla van Steen, viúva do crítico teatral Sábato Magaldi (1927-2016). Ela tinha 82 anos e sofreu um infarto. Estava internada no hospital Samaritano, em São Paulo.

Ela será cremada no início da tarde desta sexta no Memorial Parque Paulista, em Embu das Artes, na Grande São Paulo, mesmo local onde Sábato foi cremado em 2016.

A informação foi divulgada pelo Instituto Declatra - Defesa da Classe Trabalhadora, cujo presidente, Wilson Ramos Filho, é sobrinho de Edla.

“Linda, inteligente, humor afiadíssimo”, escreveu o crítico, dramaturgo e diretor Aimar Labaki em suas redes sociais. " Culta, linda e gentil", disse a atriz e diretora Mika Lins, também na internet.

Luiz Alves Júnior, fundador da Global Editora, que publicou sete livros da autora, declarou em nota: "Uma vida dedicada a promover e valorizar a intelectualidade do país. A qualidade da editora se confunde com a qualidade do trabalho dela".

Nascida em Florianópolis, em 1936, Edla estava radicada em São Paulo havia mais de 40 anos. É autora de duas dezenas de livros (contos e romances) e de peças teatrais, além de ter organizado mais de cem livros, entre eles “Amor ao Teatro” (Edições Sesc), coletânea com quase 800 críticas de Sábato.

Ela ainda dirigiu "Roteiro da Poesia Brasileira" (Global Editora), série de 15 volumes sobre a história da produção poética nacional.

Foi musa de cineastas como Glauber Rocha e atuou no filme “Na Garganta do Diabo” (1958), de Walter Hugo Khouri. Mas deixou de lado a carreira de atriz para seguir com a escrita.

No teatro, sua peça “O Último Encontro” (1989) recebeu os prêmios Molière e Mambembe de melhor autor e o troféu APCA de revelação de autor. Já seu romance “Madrugada” (1992) levou o Prêmio Coelho Neto da Academia Brasileira de Letras.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.