Descrição de chapéu Crítica música elza soares

Elza Soares brilha com repertório político perfeito para sua voz

'Deus É Mulher' é fundamental não só para a música brasileira mas para a vida do país

A cantora Elza Soares, que lança 'Deus É Mulher' - Folhapress
Luiz Fernando Vianna
Rio de Janeiro

Deus é Mulher

  • Preço R$ 24,90
  • Gravadora Deck

"A Mulher do Fim do Mundo", de 2015, começava com Elza Soares interpretando a capela versos de Oswald de Andrade alusivos ao tráfico negreiro. Era o ponto de partida de uma viagem pelo Brasil sombrio.

O início de "Deus É Mulher" também tem Elza a capela, mas já cortando o presente: "Mil nações moldaram minha cara/ Minha voz, uso para dizer o que se cala/ O meu país é o meu lugar de fala".

Canta-se um Brasil que ficou ainda mais sombrio nos últimos três anos. Em vez de abatimento, porém, há vigor. Como as precárias concertações sociais e políticas ruíram, mais do que nunca é preciso dizer o que não deve ser calado.

O reconhecimento público da força do CD de 2015 certamente encorajou Elza e seus parceiros paulistas a dobrarem as apostas.

 

O núcleo de compositores, músicos e produtores formado por Guilherme Kastrup, Kiko Dinucci, Romulo Fróes, Rodrigo Campos e Marcelo Cabral, entre outros, ampliou-se e intensificou o caráter político (e nada partidário).

Quanto à sonoridade, há acréscimos, como as percussões das mulheres do Ilú Obá de Min, mas os pilares não mudaram: melodias conduzidas por sintetizadores e guitarras, muitas vezes distorcidas; mistura de sons sujos (sampler, MPC) e limpos (flauta, quarteto de cordas); criação de uma massa que não está a serviço da voz de Elza, mas que se cola a ela, formando um todo rascante, corrosivo.

No que se refere às letras, o verso "O meu país é o meu lugar de fala", de "O Que se Cala" (Douglas Germano), é uma declaração de princípios. Dá a uma expressão das lutas identitárias ("lugar de fala") um sentido nacional, esvaziando o tom fratricida que há nela.

Ao longo do CD, miram-se alvos concretos sem deixar de lado a qualidade musical.

Contra a intolerância religiosa e a doutrina Escola sem Partido, vem "Exu nas Escolas" (Kiko Dinucci e Edgar), em que se ensina que "Exu no recreio não é xou da Xuxa" e se propõe "tomar de volta a alcunha roubada", ressaltando-se o lado positivo da entidade.

A liberdade religiosa é tema de "Credo" (Douglas Germano): "Minha fé quem faz sou eu/ Não preciso que ninguém me guie". E a sexual, de "Um Olho Aberto" (Mariá Portugal): "Cada um inventa a natureza que melhor lhe caia".

O par formado por "Língua Solta" (Alice Coutinho e Romulo Fróes) e "Hienas na TV" (Kiko Dinucci e Clima) descarta os falsos consensos. Na segunda, direcionada aos políticos e outros donos dos poderes, Elza canta: "Digo sim pra quem diz não/ E pra quem quiser ouvir/ Eu digo não".

A primeira, espécie de súmula conceitual do CD, deixa claro: "Nós não temos o mesmo sonho e opinião/ Nosso eco se mistura na canção/ Quero voz e quero o mesmo ar/ Quero mesmo incomodar".

As mulheres estão no poder em quatro faixas. No par "Banho" (Tulipa Ruiz)/ "Eu Quero Comer Você" (Alice Coutinho e Romulo Fróes), elas são donas de seus corpos, desejos e prazeres.

Em "Dentro de Cada Um" (Pedro Loureiro e Luciano Mello), extraem força das absurdas violências de todos os dias, mas não veem o gênero masculino como um inimigo a ser derrotado. "A mulher vai sair/ E vai sair/ De dentro de quem for/ A mulher é você".

Almeja-se a vitória absoluta na faixa final, "Deus Há de Ser" (Pedro Luis). É dela o verso-título do CD e outro afim: "Deus é mãe" —o que, convenhamos, faz todo o sentido.

Elza está cantando como nunca porque o repertório é perfeito para a sua voz, para o que viu em mais de 80 anos, para o que viveu, para o que quer dizer e sabe dizer.

Seus discos com a turma paulista são fundamentais não só para a música brasileira mas para a vida do país.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.