Descrição de chapéu
Flip

Exaustivo, 'Manuscritos Notáveis' ainda deixa perguntas sem repostas

Esses mistérios, porém, só nos aproximam ainda mais do poder que os livros exercem sobre nós

Zeca Camargo

Manuscritos Notáveis (Meetings with Remarkable Manuscripts)

  • Preço R$ 109,90 (680 págs.)
  • Autor Christopher de Hamel
  • Editora Ed. Companhia das Letras
  • Tradução Paulo Geiger


Se você está lendo isto é porque tem, no mínimo, uma relação de interesse com os livros. Talvez até de carinho. Com um pouco de sorte, paixão. Mas dificilmente você vai superar a devoção que Christopher de Hamel demonstra nos relatos de alguns dos livros antigos mais importantes da história, em "Manuscritos Notáveis".

São 12 volumes que o autor compartilha com a gente não apenas nas descrições minuciosas dos detalhes dessas páginas iluminadas, mas também na biografia dessas obras e até —com uma riqueza de detalhes tão grande quanto a que dedica às páginas que encontra pelo mundo— das bibliotecas onde esses tesouros estão guardados.

O adjetivo "iluminadas" não é nenhuma referência esotérica. Ele é simplesmente uma palavra precisa para descrever as riquíssimas ilustrações que decoram esses edições de séculos atrás —uma vez que, bem antes da invenção da imprensa, não havia maneira mais prática de fazer o saber circular do que com esses manuscritos.

E são essas ilustrações que primeiro deslumbram que folheia "Manuscritos Notáveis". Os olhos ficam perdidos, por exemplo, nos labirintos das linhas do "Livro de Kells" —a preciosidade maior do Trinity College, em Dublin. Ou seduzidos pelo traço forte das imagens do Saltério de Copenhague. Ou pelas cenas de batalha do Semideus de Visconti.

Porém desse apelo visual, somos transportados, pelo texto de Hamel, para os bastidores de cada exemplar —e aí o que nos fascina é a combinação entre a beleza e a curiosidades deles. 

Como no caso do estupendo objeto conhecido por Horas de Joana de Navarra. A dona do livro, órfã aos 4 anos de Luís 10, não chegou ao trono sem uma série de percalços —e, justamente por conta dessa trajetória mirabolante, é delicioso imaginar a rainha com suas Horas ao colo buscando um pouco de paz.

Nem todo livro escolhido por Hamel é sagrado. O belíssimo (e divertidíssimo) Hugo Pictor, que repousa da Biblioteca Bodleiana de Oxford, é uma coleção de adivinhas e enigmas. Uma raridade fascinante, que o autor se delicia ao descrever.

Nesse seu delírio paleógrafo —referente aos estudo de livros antigos—, Hamel pode ser detalhista a ponto de nos fazer desistir de um parágrafo. Será que precisamos mesmo de um paralelo entre o gato tocando uma viola no Saltério de Copenhague e a reação do felino que mora na casa do autor quando ouviu um especialista em música medieval, Armando López Valdivia, tocar?

Esses exageros, porém, são quase inofensivos diante das descobertas maravilhosas que ele nos proporciona. Como a inspiração para a cantata "Carmina Burana", de Carl Orff. 

O compositor nunca chegou a ver o original do século 13, em Munique: fez sua obra inspirado numa edição do final do século 19. Mas nem por isso deixou de plantar esses versos no cânone da música universal.

Exaustivo como é, "Manuscritos Notáveis" ainda deixa perguntas sem repostas. "Carmina Burana" contém versos de Abelardo para Heloísa? Aquele monge de cabelo verde é mesmo Hugo Pictor?

Longe de serem vistos como lacunas, mistérios como esses só nos aproximam ainda mais do poder que esses livros e suas histórias exercem sobre nós.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.