Descrição de chapéu
Livros

Experiência vivida norteia seleta de artigos de Djamila Ribeiro

'Quem Tem Medo do Feminismo Negro?' trata da negritude no Brasil

Djamila Ribeiro, autora de 'Quem Tem Medo do Feminismo Negro?' - Acervo Pessoal
JULIANA DE ALBUQUERQUE

Quem Tem Medo do Feminismo Negro?

  • Preço R$ 29,90 (152 págs.); R$ 19,90 (e-book)
  • Autor Djamila Ribeiro
  • Editora Companhia das Letras

Em 1997 a psicóloga Beverly Daniel Tatum publicou um estudo sobre o racismo nos Estados Unidos, demonstrando como práticas de segregação afetam a dinâmica das nossas interações sociais.

Segundo a autora, algumas comunidades teriam menos dificuldade para adaptar-se à diversidade populacional do que outras. Embora conflitos sejam inevitáveis, negros e hispânicos conviveriam entre si com mais facilidade do que com asiáticos e os demais grupos étnicos.

Este tipo de convívio é retratado magistralmente pelo cineasta Spike Lee em "Faça a Coisa Certa" —que demonstrando, entre outras coisas, a tese de Tatum de que, em questões raciais, a população branca do país seria surpreendentemente mais isolada e, consequentemente, mais alienada do que as outras.

Pergunto-me se este diagnóstico seria aplicável ao convívio social brasileiro e penso estar aí a razão do medo que muitos demonstram do feminismo negro.

Recentemente lançada pela Companhia das Letras, uma coletânea de artigos escritos por Djamila Ribeiro para a revista Carta Capital e, entre outros, para a Folha, "Quem Tem Medo do Feminismo Negro?" trata da experiência da negritude no Brasil e, principalmente, da imagem que a nossa cultura faz da mulher negra, ora hipersexualizada na figura da mulata carnavalesca, ora dessexualizada pela imagem da guerreira ou no papel da mulher subserviente e maternal ao estilo da Tia Nastácia de Monteiro Lobato.

A mulher negra no Brasil traria na pele a marca do preconceito que lhe impede de exercer plena autonomia.

Em seus textos, Ribeiro descreve todas essas situações, revelando, a partir de uma narrativa construída no conceito da "experiência vivida", a distinta influência de Simone de Beauvoir em seu pensamento.

Beauvoir também se faz presente nos textos de Ribeiro por meio da maneira como ela aborda o tema da autonomia da mulher negra em um discurso fenomenológico sobre a liberdade enquanto devir ou possibilidade de transcendência.

No entanto aqui se faz necessário observar que a principal mensagem de Djamila Ribeiro no compêndio em foco não seria primariamente acadêmica, porém de ativismo.

Assim deixo claro, para quem estiver em busca de materiais didático sobre o feminismo negro, que, apesar de reunir uma série de ideias e impressões interessantes, bem como despertar o interesse do leitor por outras vozes negras tais como as das escritoras norte-americanas Maya Angelou e Audre Lorde, o livro de Djamila Ribeiro não é um ensaio científico.

Portanto deve-se complementar a leitura da coletânea com as sugestões bibliográficas oferecidas pela própria autora ao final do volume.

Vale a pena ler Djamila Ribeiro? Evidente!

Embora a minha própria abordagem feminista ressalte a importância da psicologia individual para o exercício da autonomia da mulher, considero bastante enriquecedora a interlocução com abordagens distintas.

Assim, a perspectiva oferecida pela autora, embasada numa análise política das questões raciais da nossa comunidade, merece atenção.

Ora, indivíduo e comunidade são duas faces de uma mesma moeda e, por isso mesmo, apesar de distintas, acredito que as nossas perspectivas poderiam ser complementares.

Destarte, artigos como " Máscara do Silêncio", "A Mulata Globeleza: Um Manifesto", "Simone de Beauvoir e A Imbecilidade Sem Limites dos Outros" e "O Feminismo Negro Para Um Novo Marco Civilizatório" são leituras que muito me atraem.

No entanto vale ressaltar que "A Máscara do Silêncio" é o artigo de maior expressão e coerência estilística de toda a coleção.

Trata-se, por isso mesmo, de um excelente objeto de debate entre distintas interpretações do feminismo; faz valer a ideia da autora de que "pensar como as opressões se combinam e se entrecruzam, gerando outras formas de opressão, é fundamental para se considerar outras possibilidades de existência".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.