Em show cheio de energia, Monsta X mostra a potência do k-pop no país

Septeto coreano mostrou repertório repleto de músicas animadas e coreografias sincronizadas

O grupo Monsta X; da esq. para a dir.: Shownu, Hyungwon, Kihyun, Wonho, I.M, Jooheon e Minhyuk
O grupo Monsta X; da esq. para a dir.: Shownu, Hyungwon, Kihyun, Wonho, I.M, Jooheon e Minhyuk - Divulgação
Nathalia Durval
São Paulo

Após descartar o Brasil de turnê sul-americana em setembro de 2017, o grupo de k-pop Monsta X fez neste domingo (12), em sua primeira passagem pelo país, um show cheio de energia no Espaço das Américas.

Com pontualidade, o septeto subiu ao palco às 19h, vestindo camisas e calças brancas justas e jaquetas brilhantes. Após um "São Paulo, sorijilleo!" (algo como "façam barulho", em coreano), abriram o repertório com "Jealousy", single mais recente do grupo, aos gritos da plateia de adolescentes.

Só depois de quatro músicas agitadas eles pararam para recuperar o fôlego e se apresentar ao público. "Boa noite, Brasil. Sou o Shownu. Tudo bem?" disse o líder do grupo em um português ensaiado. "Oi, loucos para chegar", completaram os outros membros.

Eles sabiam que as fãs ansiavam a vinda da boyband desde a exclusão da última turnê mundial. "É a primeira vez que viemos ao Brasil. Ouvimos dizer que as nossas monbebes [como suas fãs são chamadas] passaram frio na fila", comentou o musculoso Wonho. Os termômetros durante a tarde não passaram dos 20ºC. "Preparamos uma performance muito sexy para agradecer com calor."

O septeto mostrou a potência do k-pop com um repertório repleto de músicas animadas e coreografias sincronizadas ao som de batidas de hip-hop. Até em músicas mais calmas, como "Crazy in Love" e "White Love", os garotos não paravam de dançar.

O playback, recurso frequente e aceito no pop coreano, aparecia em algumas músicas. Afinal, haja fôlego para cantar, soltar rimas de rap e dançar coreografias durante 23 músicas em um show de cerca de 2h30.

Mesmo com a diferença do idioma, as fãs acompanharam as letras em coreano do começo ao fim, mostrando que há uma grande audiência para o gênero. A longa fila de jovens que aguardaram horas para entrar no Espaço das Américas, com capacidade para 8.000 pessoas, reforça que ele só tende a crescer no país.

Carismáticos, os rappers Jooheon e I.M e os vocalistas Kihyun, Shownu, Wonho, Minhyuk e Hyungwon aproveitavam as pausas entre as músicas para interagir com as fãs. “Vimos que saímos no jornal. Vocês são incríveis. Por que não viemos ao Brasil antes?.”

As reações do público chegavam com atraso, por conta da barreira do idioma. As mensagens dos sul-coreanos eram repassadas às fãs por uma tradutora, que ficava próxima ao palco.

"Estamos do outro lado do mundo, sei que coreano não é fácil e fiquei emocionado quando ouvi vocês cantando todas as músicas", comentou o jovem rapper de 22 anos I.M, o mais novo do grupo.

Arrancando gritos e risos da plateia, ele dançou a “sarrada” ao som de um beatbox improvisado por Jooheon. "Disseram que isso tá no moda no país. É o funk." Mostrando o que aprenderam sobre o Brasil, também tentaram dançar samba.

Eles podem não ter o gingado exigido para esses ritmos típicos brasileiros, mas mostram, em coreografias cheias de movimentos sensuais e rebolados, que sabem dançar.

Em apresentações individuais, selecionaram músicas de outros artistas para exibir suas principais habilidades. Arrancando suspiros, a dupla Jooheon e Shownu entoou um cover (sem playback) de "Versace on the Floor", de Bruno Mars, e encerraram a performance com um solo de dança.

Já o vocalista Hyungwon e I.M cantaram "Fake Love", do canadense Drake, e emendaram uma coreografia própria para "How Long", de Charlie Puth.

Em um dos pontos altos do show, com a sequência agitada de "Rush", "Special" e "Tresspass" —música com o qual o grupo se lançou—, eles sacaram bandeiras brasileiras e pediram para o público cantar e pular. "São as músicas que mais nos representam como Monsta X", comentou I.M.

Por diversas vezes, prometeram voltar ao país. "Uma plateia cantando em coro só existe no Brasil. Foi um momento muito feliz nas nossas vidas. Ano que vem estaremos juntos de novo", disseram nos minutos finais do show.

Eles encerram aqui a turnê mundial iniciada em Seul, capital sul-coreana, em maio, para promover o EP “The Connect: Deja Vu” (2018). Passaram por países da Europa, por sete cidades dos Estados Unidos e pelos vizinhos Argentina e Chile.


Repertório

“Jealousy”
“Be Quiet"
"Beautiful"
“Gravity”
“Tropical Night”
“Crazy in Love”
“All In"
"Neolhada"
"Versace On the Floor" (cover)
"Fake Love" (cover)
“From Zero”
“Because of U"
“White Love”
“Roller Coaster”
“Lost in the Dream”
"Destroyer"
“Shine Forever”
“Rush"
“Special”
“Tresspass”
"Dramarama”
Bis
“Fallin’”
“If Only"

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.