Acusado de assédio sexual, baterista da Sigur Rós deixa a banda islandesa

Em comunicado, o grupo diz que vai deixar com que o colega lide com isso 'de forma particular'

São Paulo

Acusado de assédio sexual, o baterista Orri Páll Dyrason deixou a Sigur Rós. 

Em comunicado oficial divulgado nesta segunda-feira (1º), os integrantes da banda islandesa dizem que "Em meio às acusações extremamente sérias e pessoais feitas contra ele recentemente, aceitamos hoje a demissão do nosso colega de banda Orri Páll Dyrason, e vamos permitir que ele lide com isso de maneira particular".

A banda Sigur Rós durante apresentação em 2006, em Montreux
A banda Sigur Rós durante apresentação em 2006, em Montreux - AFP

A artista Meagan Boyd, mais conhecida pelo nome Yin Shadowz, acusou Dyrason de estupro em um post no Instagram.  No relato, ela diz que os dois se conheceram em 2013, em Los Angeles, quando a banda estava na cidade para gravar um disco.

Ela diz que os dois conheceram, beberam, trocaram beijos e ela adormeceu. Quando acordou sentiu que estava sendo penetrada. "Eu não dei meu consentimento para isso. Aconteceu duas vezes na mesma noite, e é claro que eu me pergunto porque não fui embora na primeira vez —mas eu estava bêbada, cansada e em choque", disse ela. O músico, no entanto, nega que tenha estuprado a artista. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.