Comentário de Silvio Santos sobre vestido de cantora acirra guerra cultural

Do 'ame-o ou deixe-o' a embate com Claudia Leitte, apresentador alimenta disputas no país pós-Bolsonaro

São Paulo

Ao vivo, Silvio Santos, 87, dono e apresentador do SBT, faz um comentário sobre as vestes da cantora Claudia Leitte. No auditório, risos contidos. A mulher reage, entre envergonhada e revoltada.

No ambiente virtual, a discussão escala —atrizes da Globo tomam as dores da artista e acusam o apresentador de assédio sexual. Outros perfis desqualificam a reação como uma brincadeira e resgatam episódios para denunciar uma suposta hipocrisia da cantora.

Esse é mais um capítulo da guerra cultural que marca a oposição entre a defesa de direitos individuais e a ascensão do conservadorismo, um reflexo da polarização política do país na corrida eleitoral.

A ocasião era a exibição do Teleton no último final de semana, evento filantrópico promovido pelo SBT em benefício da Associação de Assistência à Criança Deficiente, programa que teve inclusive a participação do presidente eleito Jair Bolsonaro.

A roupa em questão? Um vestido rosa-choque de manga longa.

Silvio Santos entrevista Claudia Leitte durante o Teleton 2018
Silvio Santos entrevista Claudia Leitte durante o Teleton 2018 - Reprodução

—Você quer um abraço?, pergunta Leitte, abrindo os braços para o apresentador.

Ele rejeita o convite.

—Não, esse negócio de ficar dando abraço me excita, e eu não posso ficar excitado.

—No sentido feliz da palavra, né? De alegria, euforia?

—É excitação, mesmo. Não sabia que você se apresentava com essa roupa. Da maneira como você está se apresentando, dá vontade de sair da poltrona, tomar um chope e procurar um conforto!

A câmera foca a plateia, onde Íris Abravanel, mulher do apresentador, e Patrícia, a quarta de suas seis filhas, olham para o chão do estúdio.

Poderia ser só mais um de um sem-número de episódios em que o apresentador constrangeu convidados —além de mulheres, também negros, gordos, pobres, gays.

“Não existe justificativa. O Silvio é um grande comunicador. Ele tem toda a inteligência de se adequar ao mundo contemporâneo”, defende Manoela Miklos, uma das coordenadoras do blog da Folha #AgoraÉQueSãoElas

Em sua opinião, a idade do empresário não é uma desculpa. “Sempre costumamos poupar o agressor. Dizemos que é muito novo, que é velho, que não tinha intenção. Esse caso é uma oportunidade para o próprio Silvio mudar de atitude.”

De um lado, celebridades identificadas com os avanços liberais acusaram o apresentador de misoginia e apologia do estupro —o Brasil teve 60.018 deles notificados em 2017, o equivalente a 164 por dia, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

“É lastimável. Eu nem conheço a Claudia Leitte, mas acho que existe uma diferença clara entre elogio e assédio”, afirma Paula Lavigne.

A empresária é articuladora do #342Artes, movimento de defesa da liberdade de expressão encabeçado também por Caetano Veloso.

Uma publicação do grupo com a inscrição “mexeu com uma, mexeu com todas” viralizou em perfis de redes sociais.

“A vergonha, o medo da retaliação e a exposição nos paralisam. E o fato disso estar na TV desencadeia um efeito devastador para outras milhões de mulheres que sofrem violência. Veja bem, Silvio, roupa não é convite”, diz o texto.

Nomes ligados à televisão e à música se uniram ao manifesto —caso da cantora Daniela Mercury e das atrizes Bruna Marquezine e Taís Araújo.

Via assessoria, Leitte afirmou que não vai falar sobre o caso. Em redes sociais, disse que “quando passamos por episódios assim, vemos o que acontece com muitas, todos os dias. Isso é desenfreado, cruel e nos dá medo”.

Segundo o SBT, Silvio também não irá se pronunciar.

Para Lavigne, a postura dele não é calculada, mas fruto de um sentimento de liberação.

“Está todo mundo se sentindo mais à vontade para ofender e dizer absurdos. Após uma campanha em que 80% dos eleitores do presidente eleito acreditam que o PT distribuiria mamadeiras em formato de ‘piroca’, o sujeito pensa: ‘o Bolsonaro fala aquelas loucuras, por que não posso?’.”

No Twitter, o humorista e apresentador do SBT Danilo Gentili defendeu o seu patrão. “Creio que homens e mulheres são iguais. Sempre que vou ao Silvio ele me zoa. Se eu tenho segurança de entender uma zuera [sic], por que uma mulher não teria?”

Também na internet, muitos chamaram as críticas a Silvio de “mimimi”. Circula um vídeo em que Leitte, jurada do reality The Voice, da Globo, tenta convencer um candidato a integrar seu time dizendo “vem cá sentar no meu colo”.

“Ela pode assediar homem casado. Agora, porque o Silvio apoia Bolsonaro, veio inventar essa”, diz um comentário.

Para a advogada Simone Kamenetz, a comparação não muda o fato de que as declarações de Silvio são juridicamente “passíveis de demanda por danos morais”.

“A maneira como ele se referiu a ela foi lamentável; é uma atitude que viola a dignidade e a honra da pessoa”, afirma.

Funcionários do SBT que não quiseram se identificar dizem que o comportamento não tem relação com a onda conservadora. Silvio sempre teria feito esse tipo de comentário, e as declarações comporiam um personagem.

A polêmica viria de um descompasso entre as atitudes do empresário e o que parte da sociedade julga como aceitável na atualidade. 

Produtores que o acompanham há décadas veem humor nas excentricidades do patrão. Funcionárias mulheres, no entanto, creem que falta coragem para alertá-lo sobre comportamento inadequado com convidadas.

Para elas, essa é também a razão de ações impulsivas, como a encomenda de vinhetas celebrando o nacionalismo, com frases icônicas da ditadura militar, como “Brasil, ame-o ou deixe-o”, há uma semana.

A Folha questionou como a AACD, responsável pelo Teleton, interpreta o episódio.

A assessoria da entidade respondeu que “não são de responsabilidade da instituição opiniões expressas pelos convidados ou apresentadores durante o programa”.

Em tempo: o Teleton teve neste ano sua maior audiência desde 2003 e totalizou R$ 30 milhões em doações.

Rafael Gregorio, Bruno Molinero , Cristina Padiglione , Amanda Nogueira , Beatriz Fialho e Fabiana Schiavon

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.