Música erudita ganha os palcos do Sesc em concertos com grupos compactos

Festival Sesc de Música de Câmara, já em sua terceira edição, acontece em oito unidades, na capital e no interior

Camila Fresca
São Paulo

Espetáculos com orquestras numerosas e solistas de renome, geralmente em locais abertos, são o veículo preferido por promotores para grandes eventos de música clássica, que quase sempre pretendem “popularizar” essa arte. No entanto, pela intimidade que promove entre músicos e público, variedade de repertório e abertura para novas experiências, talvez seja a música de câmara o gênero mais indicado para a introdução a esse universo.

É a este gênero que se dedica o Festival Sesc de Música de Câmara, já em sua terceira edição. Claudia Toni, gestora cultural e curadora do evento, destaca outras implicações envolvidas no fazer camerístico: “Nos países onde a música clássica é parte importante da vida cultural, a música de câmara tem papel preponderante, emprega e dá oportunidades para a maioria dos músicos profissionais. A música sinfônica absorve um número limitado de artistas e só pode ser praticada em grandes centros, onde há orçamento público ou apoio incondicional da iniciativa privada. A música de câmara, ao contrário, é aquela que se faz em toda parte: salões, igrejas, pequenos teatros”. 

Esta terceira edição do festival tem como tônica a colaboração, o que fica evidente na programação, com grupos da cena internacional tocando com artistas brasileiros ou executando obras de brasileiros. Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo, afirma que a procura pelos espetáculos é ampla e que além promover o conhecimento, eventos dessa natureza provocam “uma elevação de espírito e a valorização da arte de modo geral”. “É uma forma não apenas de difundir, mas de permitir que as pessoas se sintam integradas no processo de formação artística.”

Uma das principais atrações é o conjunto vocal inglês Tallis Scholars, especializado em música sacra da renascença e com 45 anos de existência. Outro destaque são as francesas do jovem Quatour Zaïde, que realiza o concerto de abertura nesta quinta (22), no Sesc Consolação, ao lado do clarinetista brasileiro Ovanir Buosi.

Grupos jovens de grande qualidade técnica e com uma visão aberta sobre a música de câmara são, aliás, outra característica do evento. “Fui observando que os mais jovens transitam por diferentes universos, sendo muito menos preconceituosos do que os mais velhos nos hábitos musicais”, afirma Toni. 

“Mas eu também tento buscar alternativas à acomodação dos ouvintes da música clássica no Brasil, que consomem muito mais a música sinfônica do que a de câmara. Há uma gama imensa de sonoridades que a música de câmara, praticada por pequenos conjuntos, pode oferecer.”

Compositores contemporâneos dinamarqueses compõem o programa do acordeonista Andreas Borregaard, que apresenta uma das peças ao lado dos brasileiros do Quarteto Camargo Guarnieri. Já os norte-americanos do Tesla Quartet tocam uma obra do canadense Marcus Goddard, um quarteto de Villa-Lobos e o Quinteto com piano de Schumann, ao lado do pianista baiano Ricardo Castro. 
Também estão na programação os premiados brasileiros do Duo Contexto, que interpretam obras para percussão ao lado de convidados, incluindo a impactante "Ionisation", escrita por Edgar Varèse há quase 90 anos.

Nesta edição há dois espetáculos infantis: “Entre tambores, baquetas e chocalhos”, com jovens percussionistas brasileiros, e “O Mau Humor”, do conjunto inglês Troupe. 

“Nos últimos 20 anos, fora do Brasil, há um movimento crescente para que as crianças e adolescentes tenham uma programação voltada para eles”, diz Claudia Toni. 

Uma novidade desta edição é a encomenda de obras. “Allegro Scorrevole”, do paulista Leonardo Martinelli, será tocada pelo sexteto de sopros Berlin Counterpoint. Já “The Grand Can(y)on”, da compositora campo-grandense Michelle Agnes, será executada no espetáculo “Sopro Transcendente”, dirigido pelo fagotista Fabio Cury e com um repertório que vai da música renascentista à contemporânea.

Festival Sesc de Música de Câmara
De 22/11 até 2/12; ingr.: R$ 6 a R$ 50; Sescs Bom Retiro, Campo Limpo, Centro de Pesquisa e Formação, Consolação, Jundiaí, Rio Preto, São Carlos, Sorocaba; mais detalhes em sescsp.org.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.