Obra-prima dos Racionais MC's, 'Sobrevivendo no Inferno' vira livro após ser exigido em vestibular

Disco tem letras editadas como poemas para alunos se prepararem para o vestibular da Unicamp em 2019

Rafael Gregorio
São Paulo

Quem nos últimos 21 anos ignorou as rimas dos Racionais MC’s em “Sobrevivendo no Inferno” (1997) terá nova chance: o clássico do rap nacional virou livro.

“É só natural: os Racionais são um dos maiores acontecimentos da cultura brasileira recente”, diz Ricardo Teperman, 40, editor da Companhia das Letras e um dos responsáveis pela publicação.

O grupo é o maior nome do rap no Brasil, formado em 1989 por Mano Brown e Ice Blue, da zona sul de São Paulo, e Edi Rock e KL Jay, da zona norte.

No livro, ganham ar de poemas letras como a da canção “Capítulo 4, Versículo 3”, dos versos:

“Tem uns quinze dias atrás eu vi o mano/ Cê tem que ver, pedindo cigarro pros tiozinho no ponto/ Dente tudo zuado, bolso sem nenhum conto/ O cara cheira mal, as tia sente medo/ Muito louco de sei lá o quê... logo cedo/ Agora não oferece mais perigo/ Viciado, doente, fudido, inofensivo.”

Mais do que isso, as rimas do grupo têm seu status de objeto acadêmico consolidado em um texto que precede a obra.

Em sua introdução, Acauam Silvério de Oliveira, 37, professor de literatura brasileira na Universidade de Pernambuco que estudou o grupo em doutorado na USP, sob orientação de José Miguel Wisnik, traça análises como a que associa a estrutura do álbum a uma liturgia —parte do conceito do grupo à época, refletido nas imagens de divulgação do trabalho.

“O ‘Sobrevivendo no Inferno’ é organizado e pensado como uma espécie de culto. Tem a introdução, com cânticos de louvor, a leitura da Gênesis, a apresentação do pastor e os relatos de testemunhos. Depois vêm o grande relato, a atuação do diabo, e, no fim, um processo de reflexão.”

A edição teve colaboração de Eliane Dias, produtora da banda —ainda hoje a 67ª atração mais ouvida do Brasil no YouTube— e mulher de Brown.

A obra identifica qual dos Racionais canta cada parte, “como num roteiro de cinema”, e descreve certas intervenções: tiros, sirenes, rádios.

“Outro norte foi não custar mais que R$ 34,90. Também fiz questão de imprimir com corte dourado”, diz Teperman, sobre o brilho das páginas do livro fechado, que lembra uma Bíblia.

A iniciativa da editora veio após a Unicamp incluir o disco na sua lista de leituras obrigatórias para 2019 —ou seja, ainda não vale para a prova deste domingo (18).

Em seu prólogo, Oliveira cita colegas como Maria Rita Kehl  para provar essa legitimação.

O ensaísta Francisco Bosco, por exemplo, liga o reconhecimento dos Racionais à ascensão de debates identitários.

Já para o sociólogo Tiaraju D’Andrea, a obra cunhou um conceito de orgulho. “Periferia passou a designar não apenas pobreza e violência, mas também cultura e potência.”

“Esse disco é um objeto cultural incontornável. Explicou os dramas da periferia, e muitos brasileiros negros aprenderam a se reconhecer ouvindo Racionais”, reforça Oliveira.

Ele completa: “Além do realismo, há uma estrutura metafórica. O objetivo do rap, afinal, é agregar ensinamentos e conselhos para manter os ouvintes vivos”.

A Unicamp ladeou o disco a Luís de Camões e Ana Cristina César na categoria poesia da lista de leituras —a tempo de as escolas ensinarem-no por dois anos, explica José Alves de Freitas Neto, 47, coordenador do vestibular da Unicamp.

A premissa, diz Neto, é que os alunos acessem perspectivas variadas e rompam a fronteira dos cânones tradicionais. “Não queremos só bons arquitetos, engenheiros, médicos, mas cidadãos com empatia.”

A resposta vem sendo positiva entre os alunos, ele afirma.

Professora de literatura e redação no Cursinho da Poli, para alunos de baixa renda, Eva Albuquerque, 53, confirma a impressão e diz que o disco “enriquece até o estudo de Camões”, pois “ajuda a compreender o ritmo dos versos”.

A inclusão do disco na lista da universidade gerou críticas —embora mais nas redes sociais que na academia.

Uma delas veio de Guilherme Voitch, 38, correspondente da revista Veja em Curitiba. Ele publicou no jornal Gazeta do Povo o artigo “Racionais Nunca Será Shakespeare”.

“A Unicamp está trazendo um disco”, escreve Voitch, “não por seus méritos literários. A educação clássica já perdeu”.

À Folha, ele esclarece que o título original de seu texto era “Racionais MC’s: o Cânone Brasileiro”, e que acha o disco “muito bom e importante”.

“Meu ponto”, diz, “é que não deveria ser cobrado na prova. A gente deve forçar os jovens a ir além das referências fáceis.”

Já na internet, o debate foi bem menos intelectualizado.

“Em primeiro lugar, o que acho de Racionais: uma bosta, lixo, poluição sonora, não é música”, disse em um vídeo Arthur Moledo do Val, 32, do canal de YouTube “Mamãe, Falei” —eleito deputado estadual em São Paulo, pelo DEM.

“Agora a Unicamp, paga com nosso dinheiro, decidiu colocar os Racionais. O cara que vai fazer medicina, engenharia, vai ter que estudar isso.”

Ele então descreve a faixa “Qual Mentira Vou Acreditar”, dos versos “Me formei suspeito profissional/ Bacharel pós-graduado em tomar geral.”

“‘Tomar geral’, pra quem não entendeu, é assaltar”, diz.

Entre os seguidores, porém, a reação foi de repúdio. O vídeo tem mais “descurtidas” que curtidas, e os comentários o acusam de preconceito —“tomar geral” significa ser parado pela polícia. Arthur não respondeu aos contatos da Folha.

Neto, da comissão da Unicamp, destaca que não houve questionamentos do governo estadual, ao qual a universidade está vinculada sob a pasta de Ciência e Tecnologia.

Sérgio Sá Leitão, ministro da Cultura e indicado por João Dória (PSDB) à secretaria estadual da Cultura em 2019, foi na mesma linha: “Não li o livro, só conheço o álbum, mas as universidades têm autonomia acadêmica. Devem ser respeitadas.”

Entre quem vivencia a realidade narrada pelos Racionais, a exaltação do álbum como objeto de estudo é unânime.

“Foi com ele que a juventude negra e periférica se formou. Muita gente se graduou em autoestima e não entrou para a faculdade do crime”, diz Sérgio Vaz, 54, fundador do Sarau da Cooperifa.

O cantor Rael, que iniciou a carreira no grupo de rap Pentágono, sintetiza: “Meus professores de história foram os Racionais MC’s”.

Sobrevivendo no Inferno

  • Autor Racionais MC's. Introdução: Acauam Silvério de Oliveira (Companhia das Letras, 144 págs., R$ 34,90)
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.