Arquitetos premiados criam e expõem casas de cachorro na Japan House

Vencedores do Pritzker buscam soluções diversas para trazer o cachorro mais perto do homem

Dog Cooler, por Hiroshi Nato para um cão da raça spitz

Dog Cooler, por Hiroshi Nato para um cão da raça spitz Hiroshi Yoda/Divulgação

São Paulo

Ó dono de cachorro, já reparou que seu amiguinho passa uma boa parte da vida tendo que olhar para cima para poder interagir com você? Foi esse insight que teve o designer Kenya Hara, ao pensar no spitz que teve quando criança. A tristeza decorrente dessa constatação o fez projetar uma série de móveis nos quais o olhar do cachorro estivesse à altura de seu dono.

“Os cães hoje não mais os que se originaram dos lobos”, pensa Hara. “Eles passaram por seleção artificial e se tornaram essas diversas raças feitas pelos homens. Hoje, mesmo sendo um animal, o cachorro não tem condições de voltar à natureza. Não pode mais viver sem a presença do humano.”

Esses estudos fazem parte da exposição “Architecture for Dogs”, desde sábado (19) em cartaz na Japan House, em São Paulo. Há mais: Hara pediu ainda que designers e arquitetos do Japão criassem casinhas de cachorro. “Algumas dessas pessoas á haviam recebido o Pritzker [maior prêmio mundial de arquitetura], conta o japonês, que passou pela avenida Paulista na abertura da mostra.

Essas 15 casinhas, para serem usadas dentro de casa, buscam soluções diversas para trazer o cachorro mais perto do homem. Uma delas, a Wanmock, utiliza camisetas velhas do dono para formar uma rede onde o cachorro se refestela. Outra, a Dog Cooler, propõe barras de metal para o cachorro se deitar e, assim, amenizar o calor do verão.

Bacana é o site Architecture for Dogs, que traz os 15 projetos com instruções para você mesmo reproduzi-los.

Já tendo passado por China e EUA, a mostra foi incorporando profissionais desses países. No Brasil, foi convidado a participar o escritório FGMF, que bolou The Cocoon, um casulo de tecido envolto por uma armação de vidro e metal que também serve de mesinha parta o centro da sala.

Na Japan House, as casinhas estão em exibição no térreo, enquanto a série de protótipos de móveis feitos por Kenya Hara ocupa o segundo andar da instituição. Do lado de fora, réplicas de algumas das casinhas estão disponíveis para avaliação pelos próprios cachorros. Pode levar o seu para conhecer as réplicas no pátio, mas atenção: não é permitida a entrada de pets no prédio. IF

Architecture for Dogs
Japan  House, av. Paulista, 52, ter. a sáb.: 10h às 20h; dom. e fer.: 10h às 18h. Até 7/4. Grátis

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.