Jards Macalé lança 'Besta Fera', álbum de inéditas, depois de apagão de dez dias

Após desmaiar em aeroporto, músico apresenta 1º disco em 20 anos, com letras de Ezra Pound e Gregório de Matos

homem usando mascara

Mascarado, Jards Macalé veste os óculos que se tornaram uma de suas marcas em retrato para divulgação de seu novo álbum Leo Aversa/Divulgação

Carlos Bozzo Junior
São Paulo

Um ano e um dia após Jards Macalé, 75, ser impedido de embarcar em um avião de São Paulo para o Rio de Janeiro por conta de uma tosse que o hospitalizou por 31 dias, o artista lança "Besta Fera", álbum que sairá em CD, vinil e nas plataformas digitais nesta sexta-feira (8).

Em entrevista a este repórter, por telefone, de sua casa no Rio, o artista, que está lançando o primeiro álbum de músicas inéditas em 20 anos, disse estar "totalmente recuperado" da broncopneumonia que o acometeu.

Na ocasião, Macalé estava em São Paulo, na casa do compositor e cantor Kiko Dinucci, armando os encontros para gravarem o novo disco.

"Saímos, andamos um pouco e senti falta de ar, paramos numa farmácia e comprei um desses aparelhinhos de respirar para quem tem asma. Peguei um táxi, fui para o aeroporto e não me lembro de mais nada. Dez dias depois, acordei no hospital e não entendi nada. Fiquei entubado e o caralho, respirando por máquinas."

Questionado sobre ter medo de morrer, o artista responde: "Não". "Perdi grandes amigos recentemente, o Cafi [Carlos Filho, autor de mais de 300 capas de discos, entre elas a do 'Besta Fera'] e o [Luiz] Melodia, mas acho que ninguém morre. As pessoas que eu amo não morrem. Como dizia o Melodia: 'Ninguém morreu'", cantarolou o trecho de "Abundantemente Morte", do autor de "Pérola Negra".

Sobre o novo trabalho, Macalé foi direto: "A ideia foi fazer um disco de inéditas".

Geralmente, Macalé leva seus amigos músicos para Penedo, no Rio de Janeiro, onde tem um sítio, para, a partir de algumas ideias, tocarem, criarem e comporem.

Foi assim que o músico que estudou com Guerra-Peixe e Turíbio Santos, entre outros mestres, criou um de seus melhores discos, "O Q Faço É Música" (1998), com o arranjador e pianista Cristóvão Bastos.

"Agora, convidei o Kiko Dinucci e o Thomas Harres [baterista], que fizeram também a produção musical e arranjos do disco. Ficamos lá cinco dias tocando à beira-mato, improvisando, tendo ideias, caindo na piscina, tomando um ar puro e produzindo."

Com cada um dando sua contribuição melódica, harmônica e poética fizeram "Peixe", de Macalé e Dinucci, com letra de Rodrigo Campos; "Meu Amor e Meu Cansaço", de Macalé, Dinucci e Harres e letra de Romulo Fróes; além de "Longo Caminho do Sol", também composta no sítio por Macalé, Dinucci e Harres, com letra de Clima.

"Tempo e Contratempo" tem música e letra de Macalé, enquanto "Trevas" tem música dele com letra adaptada a partir da tradução de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos, do "Canto 1", do poeta Ezra Pound.

Já "Besta Fera" ganhou música de Macalé, com letra adaptada do poema "Aos Vícios", de Gregório de Matos.

"Buraco da Consolação" foi musicada por Macalé a partir de um poema de Tim Bernardes, que também colaborou com a música. "Pacto de Sangue", música de Macalé, com letra de José Carlos Capinam, estava "guardada há algum tempo".

E "Obstáculos" "é uma letra que um amigo do Hélio Oiticica, o Renô, deu para ele e ele me mostrou. Aí eu reconduzi a letra toda".

Por fim, a música "Limite", feita no estúdio por Macalé, tem letra de Ava Rocha, e "Valor", música e letra dele, foi recuperada de uma gravação em fita cassete de 1981.

O show do lançamento do CD "Besta Fera", em São Paulo, será no dia 23 de março no Auditório Ibirapuera. Macalé espera que as pessoas escutem o disco com generosidade e fiquem atentas, "pois ele fala do Brasil neste segundo, de 2019 em diante".

Besta Fera

  • Preço R$ 25
  • Gravadora Natura Musical
  • Artista Jards Macalé
  • Distribuição digital Altafonte
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.