Descrição de chapéu Obituário Abigail Izquierdo Ferreira (1922 - 2019)

Lenda dos palcos, atriz e cantora Bibi Ferreira morre aos 96 anos

Defensora persistente do teatro brasileiro, ela teve uma parada cardíaca em casa, no Rio

Bibi Ferreira em 2015, quando fazia show cantando Sinatra Fabio Braga/Folhapres

Nelson de Sá
São Paulo

A atriz e cantora Bibi Ferreira morreu nesta quarta-feira (13) em casa, no Rio de Janeiro, após sofrer uma parada cardíaca, aos 96 anos.

Segundo o produtor Nilson Raman, que trabalhou com Bibi nos últimos 28 anos e a acompanhava até o palco, ela já estava acamada e reclamou de falta de ar à enfermeira no início desta tarde, por volta das 13h, morrendo em seguida. “Foi de uma forma tranquila.”

Ao longo da última década, a atriz e cantora vinha se apresentando em espetáculos que retratavam sua própria trajetória.

No início de 2013, apresentando o espetáculo “Histórias e Canções” em temporada popular no teatro Carlos Gomes, na praça Tiradentes, no Rio, Bibi começou a tossir no meio de um quadro e depois, recuperada, explicou: “É alergia. Sou alérgica a teatro”.

A plateia lotada riu muito. Então com 90 anos, a atriz, reza a lenda teatral contada por ela mesma, havia estreado no palco ainda bebê, aos 24 dias, na peça “Manhãs de Sol”, da companhia em que trabalhava seu pai, o também lendário ator Procópio Ferreira (1898-1979).

Ela teria entrado no lugar de uma boneca, de última hora, levada no colo pela atriz Abigail Maia, dona da companhia, mulher do dramaturgo Oduvaldo Vianna e sua madrinha. O nome de Bibi, nascida em junho de 1922 no Rio, era Abigail Izquierdo Ferreira.

Izquierdo veio da mãe, a espanhola Aída Izquierdo, corista de teatro de revista na mesma praça Tiradentes. Até os 18 anos, quando estreou oficialmente como atriz ao lado do pai, Bibi cantou e dançou esporadicamente, levada por Aída, pela América Latina e no Rio, nos palcos e num filme.

Seu primeiro personagem propriamente teatral foi Mirandolina, de “La Locandiera”, de Goldoni, em 1941. Três anos depois, com o teatro brasileiro em fase de modernização, já tinha a sua própria companhia, por onde passaram atrizes iniciantes como Cacilda Becker e Maria Della Costa.

No final dos anos 1940, depois de um período de estudos na prestigiosa Royal Academy of Dramatic Art, em Londres, estreou também como diretora, o que faria ao longo de toda a carreira, montando de autores brasileiros como Nelson Rodrigues a textos clássicos.

Uma peça histórica em que trabalhou como atriz e para a qual retornou depois como diretora, em seguidas remontagens que lembravam o maior sucesso de Procópio, que ela sempre tratou carinhosamente como “papai”, foi “Deus lhe Pague”, de Joracy Camargo.

Defensora do teatro como ofício, a exigir dedicação e técnica, Bibi se orgulhava da voz, que lhe permitia ser ouvida por toda a sala, sem microfone, nos maiores teatros. Os espetáculos que mais marcaram a sua trajetória foram todos musicais.

Ela passou a priorizar o gênero na década de 1960. Um dos espetáculos que trouxe de Nova York foi “My Fair Lady”, em 1962, junto com Paulo Autran, ator que voltaria a dividir o palco com ela no musical “O Homem de La Mancha”, de 1972.

O ator e diretor Miguel Falabella, ainda criança, a viu pela primeira vez em “Alô, Dolly!” em 1965. “Tocou o meu coração e mudou a minha vida”, diz ele, hoje um dos principais encenadores do teatro musical no país, tendo montado por influência dela, nesta última década, “Alô, Dolly!” e “O Homem de La Mancha”.

O mais célebre personagem de Bibi, a cantora francesa Edith Piaf, nasceu de outra peça da Broadway, que acabou se concentrando nas canções, na adaptação dirigida por Flávio Rangel. Estreou em 1983 e ficou sete temporadas em cartaz, voltando depois em cenas pontuais de outros espetáculos.

Mas é um musical que protagonizou em 1975, criado por Chico Buarque e Paulo Pontes, então seu marido, que ela recordava com mais carinho —a ponto de considerar “Gota D’Água”, adaptação da tragédia “Medeia” para uma comunidade carioca, “a maior obra da dramaturgia nacional”.

Nos últimos cinco anos, apresentou-se três vezes em Nova York cantando, entre outras, canções célebres de Frank Sinatra. De acordo com seu produtor, Nilson Raman, sempre para plateias lotadas. “Ela nunca foi coadjuvante.”

A última vez em que pisou no palco profissionalmente foi em dezembro de 2017, no teatro Oi Casa Grande, no Rio, quando gravou um especial para a TV Brasil intitulado “Por Toda a Minha Vida”, que voltou nesta semana à programação da emissora, em homenagem. Em setembro do ano passado, Bibi anunciou a sua aposentadoria dos palcos.

Novos produtos culturais devem relembrar a artista, agora. Em março deste ano, sai a terceira edição de sua fotobiografia e um álbum inédito com Bibi interpretando canções de Frank Sinatra, pelo selo Biscoito Fino. Ainda sem data, também está previsto o lançamento de um CD e DVD do especial “Por Toda a Minha Vida”.

Embora admiradora da Broadway, ela defendia com persistência o teatro brasileiro. Um de seus últimos projetos, que não conseguiu viabilizar, foi um espetáculo de revista com orquestra, coristas e luxo, para uma geração que só conhece musical americano, hoje.
Bibi Ferreira deixa a filha, Teresa Cristina.

O velório será realizado no Theatro Municipal do Rio, de acordo com a Secretaria Estadual de Cultura. A berta ao público​, a cerimônia acontece das 10h às 15h. O corpo de Bibi Ferreira deve ser cremado.

 

CRONOLOGIA

  •  1922 Nasce Abigail Izquierdo Ferreira, no Rio de Janeiro, em junho daquele ano —não tinha certeza do dia do nascimento. Ainda bebê, com apenas 24 dias, entra pela primeira vez no palco, na peça “Manhã de Sol” (da companhia de seu pai, o ator Procópio Ferreira), substituindo uma boneca que havia desaparecido na contrarregragem
  • 1925 Aos três anos, estreia no Chile com a Revista Espanhola Velasco, companhia onde sua mãe, Aída Izquierdo, trabalhava como corista. Durante turnê pela América Latina, fazia ao final de cada espetáculo um pot-pourri do grupo
  • 1941 Estreia profissionalmente como atriz na comédia “La Locandiera”, com a Companhia Procópio Ferreira, no papel-protagonista de Mirandolina
  • 1944 Inaugura a Companhia de Comédias Bibi Ferreira e contrata as atrizes Maria Della Costa, Cacilda Becker e a diretora Henriette Morineau
  • 1946 Estuda direção na Royal Academy of Dramatics Arts, na Inglaterra, país onde logo estudou cinema e trabalhou em filmes
  • 1955 Nomeada diretora da Companhia de Comédia do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, revela nomes da dramaturgia nacional, como Roberto Gomes. No fim da década, trabalha em Portugal como atriz de teatro de revista
  • 1964 Por sua atuação no musical “Minha Querida Lady”, que estreou dois anos antes, recebe o Prêmio Saci, em São Paulo
  • 1968 Na TV Tupi, entrevista os maiores nomes do teatro em seu “Programa Bibi ao Vivo”
  • 1970 Faz grande sucesso dirigindo o musical “Brasileiro, Profissão: Esperança”, de Paulo Pontes, que teve Maria Bethânia e Ítalo Rossi e depois Paulo Gracindo e Clara Nunes no elenco
  • 1975 Estreia a primeira montagem de "Gota d'Água", de Chico Buarque e Paulo Pontes, dirigida por Gianni Ratto. Pelo papel de Joana, recebe os prêmios Molière e da Associação Paulista dos Críticos de Artes
  • 1980 Já muito notória, recebe os mais diversos convites para dirigir de peças comerciais a intimistas. No ano seguinte, promove a volta de Dulcina de Moraes aos palcos, após 20 anos de ausência, com “Os Melhores Pecados”
  • 1983 Tem grande sucesso e pública e crítica entoando a chanson francesa em “Piaf, A Vida de Uma Estrela da Canção”
  • 1999 Fecha uma década em que reviveu grandes sucessos (como “Brasileiro” e “Piaf”) dirigindo sua primeira ópera: “Carmen”, de Georges Bizet
  • 2012 Celebrando seus 90 anos, estreia o show “Bibi – Histórias e Canções”
  • 2017 Em dezembro, faz sua última participação nos palcos no especial "Toda a Minha Vida" no teatro Oi Casa Grande, no Rio. No ano seguinte, anunciaria a aposentadoria 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.