Descrição de chapéu
Artes Cênicas

'Vedete bestial', Bibi foi consagrada pelos espectadores e aplaudida pela crítica em Portugal

Atriz viveu no país entre 1956 e 1960 e garantiu lugar como vedete nas revistas

Bibi Ferreira como vedete em Portugal, nos anos 1950
Bibi Ferreira como vedete em Portugal, nos anos 1950 - Arquivo Neyde Veneziano
Neyde Veneziano

​​Com 24 dias, entrou em cena, no colo de sua madrinha, para substituir uma boneca que havia desaparecido. Pouco depois, já estreava no teatro de revista. Tinha três anos. Foi em Santiago do Chile, na revista "La Feria de las Hermosas".

O argentino La Nación comentou, em 1925: "Bibi Ferreira, uma deliciosa menina de três anos de idade, foi, durante muitos meses, a estrela da companhia Velasco. Saía a cantar e dançar e o público a ovacionava, pois fazia todos os seus números com o ritmo e a segurança de uma artista com muitos anos de prática. É um verdadeiro prodígio, cuja separação do elenco foi um dos grandes desgostos de Eulogio Velasco, que ofereceu aos pais da criança um contrato que invejaria qualquer primeira atriz do seu elenco".

Apesar do sucesso da pequena, Procópio exigiu sua volta. Bibi esperou até 1941. Voltou como Mirandolina, em "La Locandiera". Em 1944, Bibi inaugurou sua própria companhia. Contratou a diretora Henriette Morineau e outros.

Consagrada como atriz, produtora e diretora, Bibi apostou no teatro de revista com uma superprodução, "Escândalos 1950", de Hélio Ribeiro e Chianca de Garcia. No elenco, além de Bibi, estavam Violeta Ferraz, Mara Rúbia e o estreante Jardel Filho.

"Escândalos 1950" foi o sucesso da temporada de teatro de revista. Um mês após a estreia, um incêndio devastou o teatro e destruiu todo o acervo do espetáculo. Mas não os sonhos de Bibi. Num esforço de produção ímpar, o espetáculo reestreou quatro dias depois no Teatro São José, no Rio, e em seguida em São Paulo.

Entre 1956 e 1960, Bibi Ferreira instalou-se em Portugal. Estreou no Teatro Variedades, no Parque Mayer. Encabeçou o elenco da revista "Há Horas Felizes". Aplaudida pela crítica e consagrada pelo público, seu lugar como vedete nas revistas portuguesas estava garantido.

"Quem não soubesse que a filha de Procópio peixinho é, lhe auguraria um roxo futuro na comédia. Lisboa aplaude. Lisboa, sem ciúmes bairristas do verdadeiro mérito, aplaude a brasileira conferindo-lhe o adjetivo supremo de bestial. Bestial é aqui sinônimo de colosso, de maior, de infernal."

Em seguida, Bibi foi trabalhar no Teatro Maria Vitória, a catedral da revista. Ali, os sucessos se sucederam: "Por Causa Delas...", "Encosta a Cabecinha e Chora...", "Taco a Taco" e "Curvas Perigosas".

Assim escreveu o crítico Fernando Ávila, no Diário Popular, em 1957: "[Bibi] deixou largamente documentada a versatilidade do seu talento, como atriz, como cantora, como bailarina, enfim, uma gama de recursos que chega e sobeja para, em cada intervenção, ter um apontamento diferente e brilhante".

A vedete Bibi deixou sua marca em Portugal graças ao sucesso em "Há Horas Felizes". A partir dos anos 1960, de volta ao Brasil, despertou nos brasileiros o gosto pelos musicais.

Acabo de ver José Possi Neto e Miguel Falabella, na TV, falando sobre a sensação que "Minha Querida Lady" exerceu sobre eles, despertando o "ser teatral". Não foi só com eles. Também eu e tantos outros, que vimos Bibi inaugurando a era dos musicais no Brasil, sentimos esse impulso incontrolável.

Neyde Veneziano é diretora e professora de teatro na Unicamp

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.