Descrição de chapéu The New York Times

Acusado de abuso sexual, R. Kelly se defende na TV: 'Cometo erros, mas não sou o diabo'

Ícone do R&B foi indiciado por dez acusações envolvendo quatro mulheres, três das quais eram menores de idade

Elizabeth A. Harris Sopan Deb

Na primeira entrevista que concedeu depois de ter sido preso, no mês passado, por acusações de abuso sexual, R. Kelly, emotivo e intransigente, negou ter feito sexo com meninas menores de idade e se retratou como vítima de uma campanha de difamação alimentada pela mídia social.

Kelly, cujo nome real é Robert Kelly, foi visto gritando, praguejando e apelando aos espectadores, falando diretamente para a câmera, em uma conversa com Gayle King, apresentadora do programa "CBS This Morning", trechos da qual foram veiculados na quarta-feira.

Em dado momento, Kelly parecia tão abalado que King suspendeu a entrevista para que ele pudesse se recompor.

"Você pode me odiar, se assim quiser, e pode me amar, se assim quiser", disse Kelly. "Mas use o bom senso. Com o meu passado maluco e com tudo aquilo por que passei, eu teria de ser idiota se saísse agindo como um monstro, retendo meninas contra a vontade delas, acorrentadas no meu porão, sem deixar que elas comessem, que elas saíssem de lá."

Ele continuou, falando diretamente para a câmera, e com lágrimas nos olhos: "Não fiz isso! Esse não sou eu!".

"Estou lutando pela minha vida", ele disse, usando um palavrão.

Kelly, 52, foi indiciado no mês passado em Chicago por dez acusações de abuso sexual grave, envolvendo quatro mulheres, três das quais eram menores de idade quando dos incidentes.

A detenção dele aconteceu depois que um documentário exibido no canal Showtime, "Surviving R. Kelly" (sobrevivendo a R. Kelly, em inglês), voltou a despertar atenção para as acusações de maus-tratos contra mulheres que pendiam contra ele e reascendeu o interesse dos procuradores públicos quanto ao seu comportamento.

"Todo mundo tem algo de ruim a dizer sobre mim", disse Kelly, se referindo ao documentário, "Ninguém diz coisa alguma de bom. Estavam descrevendo Lúcifer. Não sou Lúcifer. Sou um homem. Cometo erros, mas não sou o diabo. E de maneira alguma sou um monstro".

A CBS veiculou trechos da entrevista na noite de terça (5), e novos trechos serão exibidos na quinta.

King pressionou Kelly repetidamente sobre as muitas acusações que pendem contra ele. Ele não cedeu terreno e em muitos casos disparou contra seus acusadores.

Perguntado se havia violado alguma lei, Kelly respondeu: "Absolutamente não". Ele acrescentou que havia aceitado o convite para a conversa porque estava "cansado de tanta mentira".

"É fácil começar um boato sobre um cara como eu, uma celebridade", ele disse. "Basta apertar um botão no celular e dizer que tal e tal pessoa fez isso comigo, R. Kelly fez isso comigo".

Quando King perguntou a Kelly se ele havia feito alguma coisa de errado, ele respondeu: "Muitas coisas com relação às mulheres, e eu peço desculpas. Mas pedi desculpas por esses relacionamentos quando estava nesses relacionamentos".

Uma das mulheres contra as quais ele é acusado de abusos sexuais quando ela era menor de idade, Jerhonda Pace, escreveu no Instagram e no Twitter que o que viu na entrevista foi "um homem que precisa de ajuda".

"Ele vive há décadas cercado de pessoas que não lhe dizem a verdade [sobre sua conduta] e o incentivam a agir como quer", ela escreveu. "Ele afirmar que nada fez de errado é como um adulto dizer a uma criança que o Papai Noel existe".

De acordo com os procuradores públicos, uma das três menores de idade mencionadas nas acusações é a mesma menina que apareceu em um vídeo de sexo com Kelly em 2008 que resultou em um julgamento por acusações de pornografia infantil.

A menina não depôs no julgamento em questão, e Kelly foi considerado inocente, depois que seus advogados argumentaram, com sucesso, que não era possível comprovar que era ele o homem do vídeo.

Kelly se referiu à sua absolvição na entrevista, dizendo a King: "Não podem colocar minha vida em julgamento de novo dessa maneira. Não podem. Não é justo". Quando King perguntou se ele havia violado alguma lei, Kelly respondeu "de maneira alguma".

As novas acusações envolvendo a menina se baseiam em um vídeo obtido recentemente, mas gravado cerca de duas décadas atrás, vindo de uma pessoa que teve contato com Kelly no passado.

A pessoa recentemente entregou a gravação ao advogado Michael Avenatti, que a entregou às autoridades.

Na gravação, a menina se refere diversas vezes ao fato de que "as partes de seu corpo" têm 14 anos de idade; de acordo com Avenatti, os atos retratados no vídeo são diferentes dos que foram levados a julgamento no caso de 2008, o que significa que Kelly não estaria sendo julgado duas vezes pela mesma acusação.

Em outro trecho da entrevista, King mencionou que Lady Gaga havia recentemente pedido desculpas por ter colaborado com Kelly em uma canção, anos atrás. Kelly respondeu que "ela é um grande talento e é lamentável que sua inteligência deixe tanto a desejar quando o assunto é esse".

Algumas das perguntas da entrevista se referiam a acusações distintas das que ele está enfrentando em seu processo criminal. Kelly também foi acusado de manter mulheres em uma espécie de cativeiro sexual e emocional, ditando todos os seus movimentos, inclusive quando elas estariam autorizadas a ir ao banheiro.

Os pais de duas mulheres que hoje vivem com Kelly, Azriel Clary, 21, e Joycelyn Savage, 23, o acusam de lavagem cerebral contra suas filhas.

"Amo as duas", disse Kelly. "É como se fossem minhas namoradas. Temos um relacionamento. É real, e eu conheço caras... conheci caras, a minha vida inteira, que tiveram cinco ou seis mulheres. Então nem venha me acusar disso."

Quanto à idade das duas, Kelly disse que "não me importo o quanto são mais novas que eu. Só me importa que sejam maiores de idade", e se descreveu como "um homem mais velho que ama todas as mulheres", não importa a idade.

Ele também disse que os pais de ambas as haviam encorajado a se aproximar dele para ajudar em suas carreiras musicais.

"Que tipo de pai, que tipo de mãe venderia sua filha a um homem?", ele disse, acrescentando que os pais de Clary queriam que ela fizesse sexo com ele.

Uma entrevista que King fez com Clary e Savage será veiculada na sexta. Em um trecho que foi ao ar na quarta, Clary está visivelmente abalada.

"Estou chorando porque vocês não sabem a verdade", disse Clary. "Vocês acreditam em uma fachada que nossos pais dizem, e eles estão mentindo por dinheiro. Se você não vê o fato, é uma pessoa ignorante, estúpida", ela disse, acrescentando diversos palavrões.

Os pais de Clary responderam por intermédio de Avenatti, no Twitter: "Amamos muito nossa filha e sentimos sua falta. Há anos Azriel sofre sério abuso mental por parte de R. Kelly. Também é provável que ela esteja sofrendo sintomas semelhantes aos da Síndrome de Estocolmo. R. Kelly é um mentiroso, manipulador e sociopata que deve ser levado à Justiça por suas décadas de agressões sexuais contra meninas menores de idade. Todas essas vítimas e seus pais não podem estar mentindo".

Kelly pode em breve voltar à cadeia; de acordo com o jornal Chicago Sun-Times; um tribunal ordenou que se não pagar os US$ 161,6 mil (cerca de R$ 611,5 mil) que deve à ex-mulher em pensões até a manhã da quarta-feira, ele pode ser encarcerado.

"Estou sendo assassinado", disse Kelly a King. "Estão me enterrando vivo. Mas continuo vivo."

Tradução de PAULO MIGLIACCI

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.