Descrição de chapéu Livros

Livro de Michelle Obama pode se tornar a autobiografia mais vendida da história

'Minha História' chegou a 10 milhões de cópias e traz lembranças ex-primeira-dama dos EUA

Jörn Poltz
Berlim | Reuters

O livro de memórias de Michelle Obama, "Minha História", publicado no Brasil pela Objetiva, pode se tornar a autobiografia mais vendida da história, afirmou nesta semana a sua editora.

As lembranças da ex-primeira-dama dos Estados Unidos, pelas quais ela recebeu um adiantamento estimado em mais de US$ 60 milhões (cerca de R$ 236 milhões) da Penguin Random House  –uma das divisões do conglomerado de mídia Bertelsmann–, vendeu 10 milhões de cópias desde que foram publicadas, em novembro.

"Isso torna o livro nosso maior sucesso criativo do ano passado", disse o diretor-executivo da Bertelsmann, Thomas Rabe, relatando um aumento de 2,8% na receita anual.

Barack Obama também assinou com a Penguin Random House para publicar suas memórias da Casa Branca. A editora espera que elas saiam ainda neste ano, embora ainda não exista uma data definida. A expectativa é que os escritos do ex-presidente americano sobre os seus dois mandatos repitam o sucesso da obra de Michelle.

A Penguin Random House registou crescimento na receita no ano passado muito por causa dos best-sellers e do aumento na venda de audiolivros, que ajudaram a compensar uma redução nos títulos impressos.

Muito por isso, os interesses da Bertelsmann ficaram ainda mais variados, incluindo televisão, música e revistas, o que a expõe a avanços de gigantes tecnológicas do Vale do Silício como a Apple, que revelou um novo serviço de assinatura de TV e serviços de agregação de notícias na segunda-feira (25).

Rabe, que qualificou a Apple TV+ como "só mais uma plataforma de streaming", disse ainda que a divisão de TV da Bertelsmann, a RTL Group, manterá seu plano de ampliação dos serviços de vídeo sob demanda, apostando em conteúdos locais para atrair espectadores de seus mercados europeus.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.