Mande sua pergunta para uma das fundadoras do Pussy Riot

Ativista política russa Nadezhda Tolokonnikova dará entrevista na sede da Folha nesta quinta-feira (18)

São Paulo

A artista e ativista política russa Nadezhda Tolokonnikova, uma das fundadoras do coletivo feminista e grupo punk Pussy Riot, cancelou, por motivos pessoais, a entrevista que daria na sede da Folha nesta quinta-feira (18). As perguntas enviadas pelos leitores através do Twitter do jornal serão encaminhadas a Nadezhda.

Nadya Tolokno, como é apelidada, está no Brasil para apresentações em São Paulo e Recife. Será a primeira vez que a banda, fundada em 2011, se apresenta no país.

O Pussy Riot ficou conhecido mundialmente por improvisar um protesto contra o presidente Vladimir Putin em uma catedral russa, em fevereiro de 2012. Nadya foi detida por vandalismo e passou quase dois anos na prisão, junto à colega de banda Maria Alyokhina.

A artista chegou a ficar uma semana sem comer em protesto às condições de trabalho no cárcere. Ela e a colega foram soltas e anistiadas pelo governo russo no final de 2013.

Nadya fundou a ONG Zona Prava, que provém auxílio legal a prisioneiros, e o portal MediaZona, sobre o mesmo tema, publicado em parceria com o jornal inglês The Guardian. Em 2014, ela recebeu o prêmio Hannah Arendt de pensamento político da Fundação Heinrich Böll, na Alemanha.

Nadya também é autora do livro ““Um Guia Pussy Riot para o Ativismo””, publicado no Brasil pela editora Ubu, que será lançado no final do mês. É possível ler um trecho do livro aqui.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.