Militante de esquerda, Beth Carvalho teve na política uma de suas paixões

Sambista morreu nesta terça, no Rio de Janeiro, aos 72 anos

São Paulo

A cantora Beth Carvalho sempre foi admiradora de nomes políticos como Leonel Brizola, Fidel Castro e Hugo Chávez. A artista também apoiou o ex-presidente Lula em todas a eleições das quais participou, além de ter participado de festival que pedia a libertação do petista da prisão, no Rio, em julho de 2018.

Ela Morreu nesta terça-feira (30), às 17h33, no Rio de Janeiro, aos 72 anos, em decorrência de infecção generalizada. Desde o início do ano, estava internada no Hospital Pró-Cardíaco. 

Militante de esquerda, Beth também apoiava a causa dos MST e a candidatura da então candidata à presidência em 2010 Dilma Rousseff. Ela foi uma das artistas a se mostrar contra o impeachment da ex-presidente, em 2016.

Ela chegou a participar de um programa de TV comandado por Chávez na Venezuela, que era transmitido pela TV estatal do país. Ela foi prestar "solidariedade à revolução bolivariana". O próprio ex-presidente do país chegou a dar uma palha na ocasião.

 

"Tinham me convidado para ser uma embaixadora informal da cultura entre Brasil e Venezuela. O Chávez ficou todo feliz com a história e perguntou: 'Ela pode fazer o programa Alô, Presidente para falar sobre isso?'. Então fiz o programa. Cantarolei a seco mesmo o samba 'Tristeza', enfim, tive uma ótima impressão do que está acontecendo, apesar do boicote da mídia, uma loucura. A briga lá está forte", disse ela na ocasião.

Na política, era apaixonada por Leonel Brizola, para quem gravou um jingle em 2000, quando o ex-governador do Rio de Janeiro se candidatou a prefeito da capital fluminense.

Em entrevista à Folha, em fevereiro de 2017, Beth revelou que gostaria que houvesse uma grande manifestação da classe artística sobre o ocorrido à época e que não estava vendo isso acontecer da forma como ela gostaria. "[Atribuo isso] ao medo. As pessoas não falam porque têm medo de retaliação, da imprensa, que é toda de direita. Estamos vivendo uma ditadura civil", disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.