Descrição de chapéu Televisão

Netflix fará série sobre brasileiro acusado de mandar matar por audiência

'Killer Ratings' contará história do apresentador amazonense Wallace Souza

O deputado estadual Wallace Souza durante sessão em que seu mandato foi cassado, em Manaus, em 2009
O deputado estadual Wallace Souza durante sessão em que seu mandato foi cassado, em Manaus, em 2009 - Alberto César Araújo/Folhapress
São Paulo

A história do apresentador de televisão Wallace Souza, preso sob suspeita de encomendar mortes para exibi-las num programa policial, será tema de uma série documental a ser desenvolvida pela Netflix. As informações são do site Deadline. 

A produção de "Killer Ratings" (audiência assassina) ficará a cargo das produtoras britânicas responsável por produções documentais para a Nat Geo e BBC. Não há data de estreia para a atração.

Morto em 2010, Souza foi alçado à fama como apresentador de TV do programa sensacionalista "Canal Livre", veiculado por uma emissora de Manaus. Ele foi acusado de ser o mandante de alguns dos assassinatos exibidos na atração

Um ano antes de morrer, enfrentando ações na Justiça por homicídio, tráfico de drogas, formação de quadrilha, entre outros crimes, ele teve o seu mandato de deputado estadual pelo Amazonas cassado. 

O caso ganhou repercussão internacional depois que as investigações comprovaram que imagens das vítimas eram mostradas no programa para aumentar a audiência.

Souza morreu em 2010, em decorrência de uma doença do fígado. Na ocasião, ele estava internado em um hospital de São Paulo sob custódia da Polícia Federal.

O ex-deputado também era acusado de encomendar um plano para matar a juíza federal do Amazonas, Jaiza Fraxe.

Ainda segundo o Deadline, os produtores de "Killer Ratings" reuniram informações exclusivas, incluindo entrevistas com pessoas ligadas à veiculação do programa "Canal Livre", policiais e parentes de Souza.

O caso já foi objeto de outra série documental, "Pacto de Sangue", exibida no canal Space.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.