Pinturas naïf protagonizam exposição no parque Lage, no Rio

Mostra recebe 300 peças do Mian, fechado desde 2016 por falta de recursos

Quadro de Pedro Paulo Conceição exibido em 'Arte Naïf', no parque Lage Divulgação

Luís Costa
Rio de Janeiro

Fechadas ao público há mais de dois anos, 300 obras do Mian (Museu Internacional de Arte Naïf do Brasil) estão em exposição na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio. Com 6.000 peças em acervo —o maior de arte naïf no mundo—, o Mian fechou as portas de seu casarão no bairro do Cosme Velho em dezembro de 2016, por falta de recursos.

A mostra exibe peças de artistas como Dalton Paula, Heitor dos Prazeres e Amadeo Luciano Lorenzato. “São nomes considerados naïf por preconceito, porque eles já figuram em outras coleções e são mais complexos do que isso”, afirma o curador Ulisses Carrilho. “Antes de fazerem sucesso, são considerados naïf e depois se reinventa um nome para chamá-los.”

Naïf (ingênuo, em francês) é o gênero guiado pelo autodidatismo de artistas. “Eu não acredito que esses pintores sejam mais emotivos, ou mais ingênuos do que outros”, afirma Carrilho. Na exposição, obras ditas naïf dialogam com outras de arte contemporânea de mais de 40 artistas, sem delimitação de gêneros. “Não há artistas naïf ou não naïf. Há artistas.”

A curadoria toca na hipótese de que o autodidatismo artístico no Brasil seja menos uma escolha do que uma imposição. Para Carrilho, a questão precisa ser considerada a partir da realidade social brasileira. “A questão aqui está muito mais ligada à falta de acesso ao ensino público”, diz.

A mostra é aberta com seis telas a óleo, pintadas com dedos e escovas de dente, do mineiro Odoteres Ricardo de Ozias (1940-2011). É uma sequência nunca antes exposta, que conta uma série narrativa histórica —da captura de negros em solo africano à sua chegada e escravização no Brasil. 

Negro e pobre, Ozias veio do interior de Minas para o Rio, foi pedreiro e ferroviário, virou pastor evangélico e pintou aspectos da negritude e do candomblé. “A discussão sobre o acesso à educação pública está intimamente colocada dentro de uma discussão antirracista”, diz o curador.

Com o subtítulo-manifesto “Nenhum Museu a Menos”, a mostra faz alerta sobre o deterioramento e o fechamento de museus no país. Além do próprio Mian, Carrilho lembra no Rio os casos do Museu Nacional, incendiado em 2018, e do Museu Casa do Pontal, fechado após inundação

Arte Naïf – Nenhum Museu a Menos
Seg. a dom., das 11h às 17h (qui. até as 20h), na Escola de Artes Visuais, r. Jardim Botânico, 414, Rio de Janeiro. Grátis. Até 7/7

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.