Descrição de chapéu

Virada Cultural reafirma conexão com quem se habituou à rua e reclama por mais espaço

Evento é resumo de São Paulo e de suas contradições e traz consigo a esperança de resgatar espírito comunitário

José Mauro Gnaspini

Percorrer o centro de São Paulo nesta 15ª edição da Virada Cultural renova a minha sensação de que os conceitos presentes em sua criação permanecem atuais e carregados de novos sentidos.

No estranhamente já longínquo ano de 2005, nos parecia urgente uma realização que refletisse a pluralidade da capital paulista, compreendesse a heterogeneidade de gostos e hábitos culturais e capturasse 24 horas o público em seus diferentes horários de atividade. O programa da Virada não subestimaria a capacidade de escolha do cidadão nem a multiplicidade de interesses.

Observando tanta gente novamente reunida, paulistanos e visitantes, podemos supor que muitos se deslocam ao centro para encontrar atrações e artistas, mas acabam também por encontrar o próprio centro,  criando relações com a “cidade” (apelido que ainda se dá para o centro da capital), e contribuindo afetivamente para sua recuperação.

Público durante show da cantora Anitta no vale do Anhangabaú - Zanone Fraissat/Folhapress

Arrisco dizer que talvez o insistente pedido de descentralização da Virada pudesse também ser atendido.

O evento se constitui em um laboratório vivo onde se experimenta uma cidade mais horizontal, mais permeável. 

Pressupõe um voto de confiança no senso comunitário, em que o público é corresponsável pela boa experiência. A Virada Cultural contém um ensaio de urbanidade, uma oportunidade para a sociabilidade de rua e uma ocasião para aprender ou reaprender a conviver em praça pública, pelo exercício. 

Ao incluir em seu programa novas festas de rua e alguns dos grandes blocos do Carnaval, além da Paulista aberta, esta edição reafirma sua ligação com o despertar de um movimento de conquista dos espaços públicos por um público que já se habituou à rua, com uma vontade comum que redundou em inúmeras festas e feiras, sistemas de som em praças, saraus, espetáculos e artistas, que reclama por espaço nos demais dias do calendário.

Ao passar pelos palcos e atividades, encontro amigos e profissionais que seguem empenhados na realização do evento e valorizo o envolvimento dos órgãos públicos.

A programação é expressiva em diferentes dimensões: social, urbana, cultural, política, simbólica, econômica; é um dos raros exemplos de programa que foi reconhecido e mantido pelas diferentes e sucessivas gestões. 

A Virada é um resumo de São Paulo e de suas contradições, e traz consigo a esperança de que mesmo em uma cidade gigantesca, em que não mais existe a centralidade de uma única praça ou de uma igreja matriz, ainda é possível resgatar um espírito comunitário original, uma brecha de civilidade, para superar o massacre de um cotidiano previsível, para redescobrir a cidadania que nos conecta.

José Mauro Gnaspini, diretor da APAA (Associação Paulista dos Amigos da Arte), foi diretor da Virada Cultural em suas dez primeiras edições

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.