De Juazeiro a Manhattan, conheça as idas e vindas de João Gilberto pelo mundo

Este sábado (13) marca os sete dias da morte do cantor e compositor baiano

Claudio Leal
Rio de Janeiro

De 1942 até o final dos anos 1970, quando decidiu residir em definitivo no Brasil, o músico João Gilberto viveu mudanças vertiginosas de endereços. Ainda na adolescência, João deixou a casa de sua infância em Juazeiro, na Praça Imaculada Conceição, e foi viver em Aracaju, em 1942. Voltou para Juazeiro em 1946 e de lá migrou para Salvador, onde se hospedou entre 1947 e 1949 na casa de parentes, na Av. Fernandes da Cunha.

Espírito beatnik, João alternou pensões, hotéis e hospedagens de favor antes de conquistar residência própria ao longo de seus dois casamentos com as cantoras Astrud Gilberto e Miúcha. Em 1955, o músico viveu meses no hotel Majestic, em Porto Alegre, e passaria em seguida, de setembro daquele ano a maio de 1956, a célebre temporada em Diamantina, na casa de uma irmã, onde se concentrou na criação de seu estilo.

Antes de lançar o LP "Chega de Saudade", em 1959, acampou nos apartamentos dos amigos Tito Madi e Ronaldo Bôscoli. Mas havia quem não visse abuso: João trocava teto por shows diários e gratuitos, madrugada adentro. Casado com Astrud, viveu na rua Visconde de Pirajá, em Ipanema. Nos anos 60, com Miúcha em Nova Iorque, passou por três endereços: rua 23 Leste, Weehawken, em Nova Jersey, e na Hudson Street, em Brooklyn Heights. João recusou uma primeira moradia escolhida por Miúcha: "Não gosto de casa de tijolinho".

Em 1969, o casal se mudou para a Cidade do México e alugou uma casa próxima de Toluca. Não faltou ali a obrigatória mesa de pingue-pongue. Numa temporada brasileira, em 1971, hospedou-se no Hotel Glória, no Rio, mas não gostou e transferiu-se para outro em Copacabana. Nos anos 70, em suas frequentes estadias nos EUA, gostava de hospedar-se em hotéis próximos do Carnegie Hall. Apreciava o hotel Diplomat, na rua 47. De volta ao Brasil, morou em três ruas do Leblon. Por último, no prédio da rua Carlos Góis, 234, onde morreu. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.