Descrição de chapéu The Washington Post Cinema

Desde 2002, Homem-Aranha rendeu oito filmes; confira o ranking dos melhores

Nono título que narra a história do super-herói, 'Longe de Casa' estreia nesta quinta (4)

David Betancourt
Washington Post

Depois de oito títulos, "Homem-Aranha: Longe de Casa", que estreia nesta quinta (4), é um dos melhores filmes de Homem-Aranha já produzidos. 

Com a Marvel Studios e a Sony navegando juntas e compartilhando do Homem-Aranha no universo cinematográfico Marvel, novas continuações estreladas por Tom Holland são prováveis.

E o "Aranhaverso", versão de animação premiada com um Oscar, chegou recentemente ao mercado, o que deve garantir que as posições desta lista mudem de novo em breve. Tudo voltou a ser possível, em termos de criação, nos filmes estrelados pelo super-herói.

Veja o ranking dos filmes do Homem-Aranha, do pior ao melhor colocado: 

8. "Homem-Aranha 3" (2007)
Um filme que mal merece menção. O diretor Sam Raimi teve de lidar com um vilão e uma trama que supostamente não o interessavam (Venom e seu traje alienígena negro, que se torna o Homem-Aranha por algum tempo), e o público parece ter recebido um filme que ninguém desejava fazer.

Assim que o astro Tobey Maguire começa a dançar, já podemos ter certeza de que esse não vai ser um dos melhores filmes de Homem-Aranha de todos os tempos. A história de amor entre Peter Parker e Mary Jane Watson parece desaparecer em meio ao drama. Venom, talvez o mais intenso e imponente vilão das quadrinhos do Homem-Aranha, é interpretado por um cara do seriado "That '70s Show", e até a tia May parece perceber que isso é uma péssima ideia.

Eles não acertaram nem mesmo no uniforme preto do Homem-Aranha, dando ao personagem um uniforme clássico pintado de preto, e não a versão toda negra, sem teias, que se vê nos quadrinhos. A melhor parte do filme é Thomas Haden Church, como um Sandman muito simpático.

Cena de 'Homem-Aranha 3' - Divulgação

7. "O Espetacular Homem-Aranha" (2012)
Fazer um filme quando você tem uma ótima ideia é uma coisa. Fazer um filme porque você não quer perder os direitos sobre um dos super-heróis mais populares de todos os tempos é assunto bem diferente. Como Raimi e Maguire abandonaram o projeto para "Homem-Aranha 4", surgiu "O Espetacular Homem Aranha", um filme que existe porque a Sony achou que precisava fazê-lo, e não porque os fãs estivessem pedindo.

Nessa retomada da história, Andrew Garfield está bem como Homem-Aranha, mas ainda melhor como Peter, no mínimo porque parece ter sido desenhado por Mark Bagley, um dos artistas clássicos do Homem-Aranha nos quadrinhos.

Embora Garfield mostre algum potencial com o sotaque nova-iorquino e muito sarcasmo, o filme talvez traga o vilão menos interessante de todos os filmes, Lizard, interpretado por Rhys Ifan.

6. "O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro" (2014)

Em um momento mais sombrio, quando todos estávamos convictos de que o Homem-Aranha jamais faria parte da Marvel Studios, esse filme era o melhor que achávamos que seria possível obter na era pós-Raimi.

O uniforme era mais bacana, influenciado pelo estilo adotado nos quadrinhos dos anos 90, e ajuda a compensar o quanto os vilões parecem sem graça. O Harry Osborn hipster de Dane DeHaan funciona bem como um amigo do passado de Peter, mas não tão bem como o novo Green Goblin.

O Electro de Jamie Foxx tem uma personalidade nerd, meio Jim Carrey, que parece mais um personagem de quadrinhos do que o vilão de um filme de super-heróis. A sombra do Marvel Studios pesa tanto, a esta altura, que nem mesmo a forte química entre Garfield e Emma Stone (como Gwen Stacy) consegue salvar a franquia, encerrada com esse episódio.

O filme nos oferece uma cena de morte muito bem executada para Stacy —um dos momentos mais poderosos nos quadrinhos do Homem-Aranha—, mas nem isso bastou. Àquela altura, a Sony certamente já estava segura de que precisava do toque da Marvel Studios.

5. "Homem-Aranha" (2002)
Se você está cansado de filmes de super-herói, um dos responsáveis é "Homem-Aranha", o primeiro filme a estrear faturando US$ 100 milhões no final de semana de abertura.

"X-Men" chegou aos cinemas em 2002, mas o "Homem-Aranha" de Sam Raimi foi o primeiro filme de super-herói desde "Batman", de 1989, a surgir como um evento mundial da cultura pop.

O único ponto fraco do filme talvez fosse o uniforme ridículo do Green Goblin —Willem Dafoe parecia muito mais ameaçador sem ele, ao entrar em guerra com o Homem-Aranha de Maguire e enlouquecer aos poucos.

O clássico beijo de cabeça para baixo com Mary Jane talvez tenha sido o momento mais memorável do filme, a as acrobacias com teias nos céus de Nova York tinham algo que lembrava o primeiro voo do Super-Homem nos filmes com Christopher Reeves. "Homem-Aranha" parece um pouco datado na nova era de filmes de super-heróis, mas continua a ser um clássico, inegavelmente.

Cena do filme 'Homem-Aranha', de 2002 - Reuters

4. "Homem-Aranha: de Volta ao Lar" (2017)
O Homem-Aranha enfim retorna ao lugar a que pertence: a Marvel Studios. Assim que a estrada cinematográfica para os Vingadores foi criada, jamais pareceu correto que o contrato da Sony para produzir filmes com o Homem-Aranha o impedisse de lutar ao lado do Homem de Ferro e companhia.

No entanto, "De Volta ao Lar" não é só uma declaração de adesão aos vingadores. Há uma sensação mágica, a de que o Homem-Aranha está surgindo nas telas pela primeira vez, embora seja o sexto filme com o personagem.

O Peter de Holland lidera um elenco realmente jovem, de moleques de segundo grau como coadjuvantes, Michael Keaton oferece um dos melhores vilões na história do Homem-Aranha, como Vulture. E isso não deveria surpreender: afinal,  ele foi Batman.

E o Homem-Aranha jamais teve um uniforme melhor, citando a arte dos quadrinhos dos anos 60 e 70 combinada a asas de teia e combinado à magia tecnológica padrão Homem de Ferro. "De Volta para Casa" tira o super-herói das sombras deixadas pelos filmes precedentes e mostra que o personagem ainda pode ser divertido.

3. "Homem-Aranha: Longe de Casa" (2019)

"Longe de Casa" tinha a difícil tarefa de ser o primeiro filme do universo Marvel sem o Homem de Ferro, depois da batalha final em "Vingadores: Ultimato". Mas grandes poderes impõem grandes responsabilidades.

Peter está sozinho e na Europa, em uma viagem da escola, tentando se concentrar em seu crush por MJ e não em seus superpoderes. Nick Fury (Samuel L. Jackson), no entanto, exerce seu papel como catalisador do universo Marvel para impedir que isso aconteça.

O novo filme traz de volta o elenco jovem e talentoso do episódio precedente (Holland, Zendaya, Jacob Batalon), com muitas risadas e um desempenho visualmente espetacular de Jake Gyllenhall como Mysterio.

A magia da Marvel Studios está presente em toda parte, com participações de figuras centrais como o Fury de Jackson, Maria Hill (Cobie Smulders) e Jon Favreau, diretor do primeiro filme do Homem de Ferro, como Happy Hogan. A Sony e a Marvel Studios encontraram seu ritmo, com essa nova retomada (bem, continuação de uma retomada), e o melhor talvez ainda esteja por vir.

2. "Homem-Aranha 2" (2004)
Tobey Maguire interpreta Peter como um sujeito frustrado, que não quer mais permitir que o Homem-Aranha fique no caminho das coisas que mais lhe importam —principalmente, o amor por Mary Jane.

Harry descobre que seu melhor amigo Peter é secretamente o Homem-Aranha e, convicto de que Peter matou seu pai Norman Osborn, o Green Goblin, desce à escuridão e se torna o novo vilão.

Alfred Molina está excelente como Doctor Octopus, um dos vilões clássicos do Homem-Aranha, e o compositor Danny Elfman nos oferece uma das maiores trilhas sonoras em um filme de super-herói. "Homem-Aranha 2", apesar de hoje enfrentar concorrência muito maior, ainda pode ser considerado como um dos melhores filmes de super-herói de todos os tempos.

Cena do filme 'Homem-Aranha 2' - Reuters/Sony Pictures

1. "Homem-Aranha: No Aranhaverso" (2018)
Esse filme lidera o ranking não só porque o estúdio decidiu arriscar e usar Miles Morales como protagonista de um filme de Homem-Aranha. "Aranhaverso" deu à Sony a oportunidade de revigorar sua marca, com um estilo pesado, derivado dos quadrinhos, que talvez não funcione em um filme de Homem-Aranha com atores reais. E de qualquer forma os filmes com atores agora são colaborações com a Marvel Studios.

O longa, além de ser uma história com muito coração, um estilo de animação nunca visto, e dotada de apelo multicultural genuíno, também representa uma oportunidade para que a Sony fature bem por conta própria no segmento de filmes de super-heróis, sem parceria.

O filme gerou entusiasmo desde o começo e, ao contrário dos demais filmes da lista, "Aranhaverso" tem o potencial de não só gerar continuações mas de permitir séries derivadas com um monte de criaturas-aranha tão empolgantes quanto Morales. E temos também aquela coisa toda do Oscar.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.