Descrição de chapéu Flip

Flip é atravessada por campanha eleitoral fora de época em Paraty

Prefeito foi cassado em abril e nova eleição está marcada para agosto

Paraty (RJ)

Enquanto milhares de pessoas discutem literatura durante a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), coisa muito menos prosaica acontece fora do centro histórico: uma eleição.

Carlos José Miranda e Luciano Vidal (MDB), prefeito e vice-prefeito de Paraty eleitos em 2016, que deveriam governar até dezembro do ano que vem, tiveram seus mandatos cassados em abril último pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por abuso de poder político nas últimas eleições. 

O tribunal entendeu que eles usaram um programa municipal de habitação para se promoverem durante a campanha, o que eles negam.

Uma eleição suplementar foi marcada para 4 de agosto. Quem vencer, ficará pouco mais de um ano no cargo.

Quem se hospedou e circula só pelo centro histórico de Paraty mal fica sabendo disso. A literatura ofuscou a política e não há qualquer sinal de campanha nas ruas, abarrotadas de turistas.

Mas os que se arriscam a sair um pouco fora da cidade cenográfica começam a ver carros adesivados, entrega de panfletos, carros de som, bandeiras num cenário destoante.

Gabriela Gibrail, candidata a vice-prefeita pelo PT, afirma que ter uma eleição “é mais um elemento inusitado para a Flip, que costuma ter tantos. É um desafio, fazer uma campanha quase que interrompida por um evento desses, e uma oportunidade de dialogar com mais gente.”

Não é só os turistas que não sabem da eleição. “A gente tem que explicar até para o morador da cidade, que não esperava ter uma eleição agora”, diz Deco Minair, candidato pelo Democracia Cristã.

O quilombola Ronaldo dos Santos, que encabeça a chapa petista, diz que a campanha, na verdade, diminuiu nesses dias de festa. “A Flip é muito importante para o paratiense, que trabalha muito mais nessa época, e mal tem tempo para pensar em outras coisas. Então damos um tempo e aproveitamos para falar com os turistas”, disse ele, em ato pró comunidades tradicionais da região.

O turismo, principal fonte de renda da cidade, junto aos royalties da exploração de petróleo, é a principal pauta das campanhas, que reúnem, além do PT e do DC, candidatos do MDB (Luciano Vidal, vice cassado), PTB (José Carlos Porto Neto) e Avante (Lucas Aquino).

Em 4 de agosto, além de Paraty, há eleições suplementares marcadas em outras quatro cidades do país, de SP, MG e PI.

A turbulência não é novidade em Paraty nem para o prefeito Carlos José Miranda, que foi cassado: em 2015, ele havia tomado um tiro de raspão na cabeça. A cidade histórica é uma das mais violentas do estado do Rio.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.