Descrição de chapéu Flip

Glenn Greenwald é alvo de protesto de moradores em Paraty durante a Flip

Fundador do The Intercept Brasil é um dos convidados em programação paralela

Marcella Franco
PARATY (RJ)

​​Organizados em grupos de WhatsApp, moradores da cidade de Paraty, no litoral fluminense, programam um protesto na próxima sexta-feira (12), durante a Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip. Os cerca de 500 cidadãos, segundo estimativas próprias, pretendem se manifestar contra a participação do jornalista Glenn Greenwald na programação da Flipei, casa parceira conhecida como “barco pirata”. 

Greenwald, que coordena o trabalho do site The Intercept Brasil na revelação de mensagens trocadas entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, com procuradores da Lava Jato enquanto ainda era juiz, é a grande estrela de uma mesa que debate os desafios do jornalismo justamente na cobertura da operação.

 

O objetivo é cancelar a palestra, segundo informaram quatro participantes, que preferem não se identificar. Antes de agendar o protesto, enviaram, na última semana, um email à direção da Flip, pedindo que Greenwald fosse retirado da programação. Receberam a resposta de que os espaços parceiros têm autonomia e, portanto, nada seria feito a respeito.

“Foi uma indignação instantânea quando essa palestra foi divulgada”, explica um dos organizadores. “A indignação é por um estrangeiro vir discutir sobre a Lava Jato, este patrimônio do brasileiro decente que cansou de ouvir barbaridades sobre roubalheira. Um americano que foi expulso do país dele. Falam que ele ganhou o prêmio Pulitzer, mas ele não ganhou nada, é tudo fake.” 

Em 2014, Greenwald e sua equipe conquistaram o prêmio Pulitzer, na categoria serviço público, pelas reportagens sobre o vazamento dos documentos do ex-agente da Agência Nacional de Segurança, Edward Snowden. As reportagens foram publicadas nos jornais The Guardian e The Washington Post.

E Greenwald não foi expulso dos EUA, ele se mudou para o Brasil em 2005, após conhecer seu atual marido em uma viagem ao Rio de Janeiro. Na época, Greenwald trabalhava como advogado constitucional.

Outro organizador chama Greenwald de “criminoso”. “Se violar o celular da gente já é um crime gravíssimo, imagina o que eles fizeram com uma autoridade, um ministro de Estado. A gente vai receber um cara que não tem moral. Lugar de bandido é na cadeia. Será que a Flip vai fazer isso, trazer mais bandidos e criminosos para cá?”, questiona.

 

A Flip informa que as casas parceiras têm programações que “não necessariamente refletem sua opinião”. Em comunicado oficial, diz que “não se vê no papel de desautorizar manifestações que por ventura ocorram no seu território, contanto que as mesmas não contenham teor ofensivo ou discriminatório”. 

A organização da Flipei, por sua vez, não foi procurada por nenhum dos membros dos grupos. “Não tentamos contato, até porque a gente acredita que seja um grupo bem radical”, avalia um dos organizadores, na entrevista. “A Flip é corresponsável pelo evento. A gente entende que a Flipei é uma casa parceira, mas isso está sendo permitido. A Flip está dando um tiro no pé”.

Cauê Ameni, um dos responsáveis pela Flipei, explica que a programação do espaço é feita de maneira coletiva, sem um curador específico. “Escolhemos o Glenn porque ele é o jornalista mais importante do mundo hoje. Ele está mostrando com provas a face de um processo que todos suspeitavam que vinha acontecendo.”

 

Ele diz que a realização da mesa está garantida. “Defendemos a liberdade de expressão. É uma mesa de debate, não é palanque. Estes manifestantes vão ser muito bem-vindos, e, se quiserem, podem mandar perguntas para o Glenn na mesa, e elas serão respondidas.”

“Vamos procurar nos manifestar de forma ordeira”, certifica um dos organizadores do protesto. “Existem pessoas no grupo que estão bem revoltadas”, rebate outro. “Nós não queremos envolver política nas festas da cidade, e eles estão praticamente querendo colocar a sede do comunismo aqui na cidade de Paraty.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.