Descrição de chapéu Flip

'Um tsunami vem pintando', diz historiador sobre futuro do emprego no Brasil

José Murilo de Carvalho discute pontos centrais de 'Forças Armadas e Política no Brasil'

Naief Haddad
PARATY (RJ)

Já passava da metade da conferência na Flip de José Murilo de Carvalho, um dos maiores historiadores em atividade no país. A também historiadora Heloisa Starling, uma das mediadoras, lembrou uma entrevista de Carvalho de duas décadas atrás. Àquela altura, ele dizia: “Somos um povo que vive de sonhos desfeitos”.

A partir dessa frase, ela perguntou: “O que deu errado no nosso desejo de futuro?”.

1638881044583701
O historiador José Murilo de Carvalho, durante a mesa 10 - Troia de Taipa, como parte da Flip 2019, em Paraty - Eduardo Anizelli/ Folhapress

“Quantas horas nós temos?”, respondeu o historiador, despertando, mais uma vez, os risos do público do auditório da Matriz, em Paraty. “Me preocupa muito hoje a distância para realizar um país com um mínimo de igualdade e uma democracia estabilizada.”

Muito por conta do entrosamento entre Carvalho e as mediadoras (além de Starling, a socióloga Angela Alonso), houve humor ao longo da conferência. Mas o que prevaleceu foi o sentimento de desencanto. É muito provável que Carvalho tenha protagonizado a mais amarga das conferências dessa edição da Flip até agora.

“Estou organizando um seminário sobre 2050 e penso muito sobre a direção em que estamos caminhando. Tenho visto estatísticas de economia, educação, demografia... Enquanto estamos brigando [refere-se às polarizações políticas], um tsunami vem pintando e não estamos percebendo”, afirmou.

Carvalho completou: “Não são só os 13 milhões de desempregados. São, sobretudo, os milhões que não são mais empregáveis dado o avanço da tecnologia. Como vamos incorporá-los à economia com um país crescendo a 1,5%, 2% ao ano?”.

Antes de expor suas preocupações com o futuro, ele havia falado sobre o passado do país.

Questionado sobre qual seria o “pecado original da República”, título de um de seus livros, Carvalho lembrou que apenas 5% dos brasileiros tinham direito a voto quando houve a proclamação da República, em 1889. “Só na década de 1940 começou uma participação popular mais efetiva nas eleições”, disse.

Carvalho acaba de lançar uma reedição de “Forças Armadas e Política no Brasil”, uma das suas obras mais influentes. No prefácio, escreveu que se trata de “uma nova e mais pessimista interpretação do papel das Forças Armadas na história da nossa República e na construção de nossa ainda claudicante democracia”.

Durante a conferência, ele comentou um dos temas centrais do livro. Segundo o historiador, as Constituições brasileiras têm dado aos militares um papel moderador que não é comum nas grandes democracias liberais. “A tutela militar à nossa República está nas nossas Constituições”, disse. “Em todas elas, há atribuição de força política às Forças Armadas.”

No final da apresentação, Angela Alonso, colunista da Folha, perguntou, com ironia: “Alguma pitadinha de otimismo?”.

“Vocês precisam me dar um desconto porque sou do século passado [ele completa 80 anos em setembro]. Já vivi muitas crises”, brincou.

Logo retomou o tom mais sóbrio: “No país do futuro, não sei se a gente terá futuro. Canudos hoje são os milhões de brasileiros que não têm sido incorporados à economia. Não são mais tratados com canhões [como na guerra do final do século 19], mas, de algum modo, estão fora [da economia]”.   

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.