Brasileiro ganha prêmio de ator no festival de cinema de Locarno

Dirigido por Maya Da-Rin, longa "A Febre" foi o primeiro do indígena Regis Myrupu

São Paulo

Estreante, Regis Myrupu conquistou o Leopardo de ator na 72ª edição do festival de cinema de Locarno, na Suíça.

Ele está no longa “A Febre”, de Maya Da-Rin, no qual interpreta Justino, um solitário indígena Desana de meia-idade que trabalha como vigia no porto de cargas de Manaus.

Acometido por uma forte febre, ele começa a achar que é perseguido durante a noite —durante o dia, ele batalha para se manter acordado na rotina tediosa de trabalho. 

Da-Rin também concorria ao Leopardo de Ouro pela obra. O premiado foi o português Pedro Costa, com “Vitalina Varela”. 

Há dois anos, o longa brasileiro "As Boas Maneiras" foi laureado no festival. A fábula de terror sobre um lobisomem urbano da dupla de diretores Juliana Rojas e Marco Dutra ganhou o prêmio do júri.

"A Febre" também foi conquistou o prêmio da crítica e o prêmio do júri jovem e Locarno.

Em entrevista ao site oficial do evento, Myrupu afirma que “jamais achou que isso poderia acontecer”. A produção marca sua estreia como ator.

Ele conta que, como Justino, ele também ficou dividido entre cidade e floresta. 

A performance não impressionou somente ao júri de Locarno, mas também a Myrupu. “Não sabia que eu tinha essa habilidade. Mas, com a ajuda da diretora, consegui transmitir o que estava dentro de mim.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.