Descrição de chapéu Televisão

Jornal Nacional faz 50 anos em meio a radical polarização no Brasil

Aniversário será marcado por lançamento de livro com artigos de apresentadores

Nelson de Sá
São Paulo

​​Paulista da capital, William Bonner se lembra do clima de curiosidade em casa, em 1969, quando os pais falaram que estava chegando “o novo jornal na televisão”.

Na infância e na adolescência, ele se tornaria “telespectador fiel”, como seus pais e irmãs. “O JN era um momento que reunia os cinco diante do televisor”, descreve em mensagem à Folha sobre o cinquentenário do telejornal, a ser completado em 1º de setembro.

Formado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, onde começou como locutor da USP FM, Bonner estreou na Globo em 1986 e se tornou apresentador titular do telejornal há 23 anos. No mês que vem, fará duas décadas no cargo de editor-chefe do noticiário.

William Bonner e Renata Vasconcellos no novo estúdio do 'Jornal Nacional'
William Bonner e Renata Vasconcellos no estúdio do 'Jornal Nacional' - Sergio Zalis/TVGlobo

“A soma desses fatos explica o efeito que o som da vinheta do JN tem sobre mim”, diz ele. “O orgulho que guardo da minha participação nessa história, da minha profissão.”

Os 50 anos estão sendo celebrados pela Globo de várias maneiras, inclusive escalando apresentadores de afiliadas, do Amapá ao Rio Grande do Sul, para comandar a bancada aos sábados, a partir do dia 31.

Também com uma série especial de segunda a sexta sobre o cinquentenário, tendo por base as reportagens do próprio telejornal e mostrando “o que melhorou e piorou no país ou ficou na mesma”.

Mas a principal comemoração será o lançamento de um livro de 458 páginas, “Jornal Nacional: 50 Anos de Telejornalismo” (Globo Livros), com 118 profissionais e ex-profissionais comentando ou recordando como é feito o telejornal.

​Bonner é um deles, como outros apresentadores históricos, inclusive Cid Moreira e Sérgio Chapelin, Fátima Bernardes e Renata Vasconcellos, hoje também titular na bancada.

Mais para o final do volume, escreve Maju Coutinho, que fazia a previsão do tempo e acaba de estrear como apresentadora do Jornal Hoje.

O livro abre com textos de João Roberto Marinho, presidente do conselho editorial do grupo, Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da Globo, e Ali Kamel, diretor-geral de jornalismo.

O primeiro lembra que o Jornal Nacional “realizou na prática um sonho que meu pai, Roberto Marinho, nutriu desde a década de 1950: unir o Brasil por meio da televisão em rede”.

Mas também busca olhar para a frente, afirmando que em jornalismo “a concorrência de meios de comunicação é cada vez maior” e vai além da TV aberta e paga, para “a internet com centenas de sites produzindo informação”.

João Roberto Marinho encerra sublinhando que “a Globo não defende partidos, não defende religiões, não defende formas de comportamento”.

Ao longo de 47 páginas, Kamel afirma que hoje “o Brasil, como muitos países mundo afora, vive uma polarização extremada”. Um ambiente em que “a imprensa vira alvo e é acusada de produzir fake news”, em que os fatos, “se contrariam ou incomodam uma parcela, qualquer parcela, são logo rotulados como fake”.

Contra isso, defende o jornalismo profissional. “Para as empresas que se impõem como missão praticar o jornalismo profissional, a atividade é entendida como uma forma de apreensão da realidade com regras que, se seguidas corretamente, levam ao relato e à análise dos fatos com um bom grau de fidelidade.”

Acrescenta que “quem mais tem condições de praticar o jornalismo como forma de conhecer a realidade é a grande imprensa”, incluída a televisão, com recursos tecnológicos e humanos, nos quais “investe grandes somas de dinheiro”.

Em seu texto, Maju Coutinho lembra a época em que a expressão “garota do tempo” não existia e “previsão era coisa de homem”. E destaca como, nos quatro anos em que esteve no programa, a questão se tornou mais ampla, com reflexo na cobertura.

Agora, “sempre que possível, a previsão do tempo do JN traz dados sobre o aquecimento do planeta, desmatamento e fontes alternativas de energia”, escreve ela.

A nova publicação não se detém sobre controvérsias históricas como a cobertura da manifestação pelas eleições diretas, em janeiro de 1984, já abordadas no livro “Jornal Nacional - A Notícia Faz História” (Jorge Zahar, 2004), que celebrou os 35 anos do programa.

Cronologia

1º de setembro de 1969 Hilton Gomes abre as transmissões: ‘O Jornal Nacional da Rede Globo, um serviço de notícias integrando o Brasil novo, inaugura-se neste momento’ 

Agosto de 1987 No dia da morte de Drummond, Cid Moreira encerra o programa declamando o poema ‘José’

Junho de 2001 Reportagens de Marcelo Canellas e do cinegrafista Lúcio Alves traçam um mapa da fome

Novembro de 2002 Heraldo Pereira se torna o primeiro negro a apresentar o JN, aos sábados

Fevereiro de 2019 Maju Coutinho se torna a primeira mulher negra a apresentar o JN

Jornal Nacional: 50 Anos de Telejornalismo

  • Preço Preço a definir (458 págs.)
  • Autor Vários autores
  • Editora Globo Livros
Erramos: o texto foi alterado

William Bonner é paulista da capital, não de Ribeirão Preto. O texto foi corrigido

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.