Descrição de chapéu Cinema

'Nada a Perder 2' tem público inflado com ingressos doados pela Igreja Universal a fiéis

Reportagem acompanhou oito sessões do filme em São Paulo e averiguou que maioria do público ganhou o bilhete

Leonardo Sanchez Sandro Macedo
São Paulo

Não se pode esconder a verdade, diz o slogan logo abaixo do título no cartaz de “Nada a Perder 2”, sequência do filme recordista em número de ingressos vendidos no Brasil, com mais de 11,9 milhões —à frente de “Os Dez Mandamentos” (11,3 milhões) e “Tropa de Elite 2” (11,1 milhões).

No entanto, a verdade por trás dos impressionantes números de “Nada a Perder” era a de salas com ingressos esgotados, mas muitos lugares vazios. Na época, a reportagem da Folha apurou que boa parte do público recebeu o bilhete em suas respectivas igrejas, e muitos deles não fizeram uso, o que causava os buracos nas salas supostamente lotadas —o mesmo já havia ocorrido com “Os Dez Mandamentos”.
 

E mais uma vez a prática foi adotada pela Igreja Universal do Reino de Deus. Em visita a oito salas em São Paulo na estreia do filme, a discrepância foi perceptível em quase todas elas.

“Nada a Perder 2”, aliás, chegou às telas com lançamento mais modesto que o antecessor. Enquanto o primeiro longa ultrapassou 1.100 salas, o segundo, novamente distribuído pela Paris Filmes, teve 800 salas no primeiro fim de semana.

Essa diminuição se refletiu no público total após quatro dias da estreia. Se o primeiro filme já começou com astronômicos 2,3 milhões de espectadores, a sequência registrou marca bem inferior, de 1,3 milhão de ingressos vendidos. Ingresso vendido, não público.

A reportagem visitou salas em São Paulo nas regiões leste, oeste, sul e central.

“Eles estavam dando ingressos na igreja para quem quisesse assistir. A gente podia pegar vários ingressos para dar para qualquer pessoa que quisesse”, contou Katherine Calisto, 29, que frequenta a Universal no Itaim Paulista e estava acompanhada da família na sala quatro do Cinemark Metrô Tatuapé. Outras pessoas, da mesma igreja, corroboraram a informação no hall do cinema.

No Metrô Tatuapé, aliás, as filas eram organizadas por pessoas que usavam a camiseta do filme, não funcionários do complexo, que costumam usar crachá e uniforme.

Um deles inclusive questionou amigavelmente uma família que saía da sessão no meio do filme, que respondeu que saiu para não atrapalhar os outros já que os filhos pequenos estavam chorando. Na sala de 190 lugares, cerca de 80 pessoas assistiram ao longa, número bom, mas bem inferior aos 145 ingressos vendidos.

No Pátio Higienópolis, na tarde de sexta (16), a sessão das 15h30 supostamente lotada (havia cinco assentos disponíveis no mapa da sala um, com cem lugares) também teve grande discrepância. No início do filme, apenas 23 pessoas testemunhavam a sessão. Curiosamente, com uns 25 minutos de filme passados, a plateia quase dobrou.

Essa entrada com muito atraso foi comum em todas as salas. E sem relação aparente com trânsito. No próprio Higienópolis, um grupo de cinco adolescentes entrava e saía da sessão em intervalos de 15 minutos.

No Espaço Itaú de Cinema - Frei Caneca, a ocupação era de cerca de 60% —novamente, bem inferior ao número de ingressos vendidos. Após 20 minutos de filme, a repórter saiu da sala com um grupo de outras pessoas. Foi quando duas mulheres se aproximaram e questionaram o motivo da saída repentina, antes de oferecer um par de ingressos para o dia seguinte. 

O clima de excursão imperou em algumas salas, como na (realmente) lotada sala quatro do Cinesystem Morumbi Town, com apenas os assentos das poltronas VIP, no fundo, disponíveis —esses lugares especiais foram ocupados por pessoas que tinham ingresso para poltronas comuns, algo normal no cinema. 

Os espectadores frequentam a Universal da avenida João Dias e, além do ingresso, ganharam um vale com desconto para refrigerante e pipoca. Homens da igreja organizavam a fila do cupom promocional.
Não há nada ilegal no fato de a Igreja Universal comprar ingressos e repassar a seus fiéis.

Mas há dois pontos que não podem ser ignorados. Primeiro, muitas pessoas não fazem uso do ingresso gratuito, provocando os buracos nas salas supostamente lotadas; segundo, o público inflado acaba mascarando um número que deveria ser relevante para o cinema brasileiro.

Se nos Estados Unidos as maiores bilheterias se medem por dólares arrecadados, no Brasil, a conta é por público. E com “Nada a Perder” a matemática não é universal.

Distribuidora do filme, a Paris não se pronunciou até a conclusão desta reportagem.

Também questionada, a Igreja Universal enviou um link que leva para um texto publicado no site da igreja.

Nele, reclama da “velha fake news (notícia falsa, em inglês) sobre a bilheteria da obra cinematográfica”, que tomará os jornais. Entre outras coisas, diz que “a mídia não se conforma com o incrível sucesso de filmes com temática espiritual no Brasil e tenta diminuir a importância do fenômeno”.

Colaboraram Isabel Teles, Isabella Menon, Manuela Tecchio, Marina Consiglio e Laura Lewer


 

Salas visitadas

Cinemark Boulevard Tatuapé 2
Quinta (15), às 20h30; 
Ocupação: 80 de 166 vendidos

Cinemark Metrô Tatuapé 4
Quinta (15), às 19h20; 
Ocupação: 80 de 145 vendidos

Cinesystem Morumbi Town 4
Quinta (15), às 21h30; 
Ocupação: 80 de 166 vendidos

Kinoplex Itaim 1
Quinta (15), às 20h30; 
Ocupação: 84 de 128 vendidos

Espaço Itaú Frei Caneca 9
Quinta (15), às 21h10; 
Ocupação: 57 de 99 vendidos

Espaço Itaú Pompeia 9
Quinta (15), às 21h30; 
Ocupação: 38 de 102 vendidos

Pátio Paulista Cinemark 1
Quinta (15), às 19h; 
Ocupação: 80 de 176 vendidos

Pátio Higienópolis Cinemark 1
Sexta (16), às 15h30; 
Ocupação: 45 de 93 vendidos

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.