ACM Neto anuncia Bienal do Livro em Salvador: 'aqui é proibido censurar'

O anúncio foi feito nesta terça (10) durante a assinatura do contrato de gestão do novo centro de convenções da cidade

João Pedro Pitombo
Salvador

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), anunciou a realização de uma Bienal do Livro em Salvador em 2020.
 
O anúncio foi feito nesta terça-feira (10) durante a assinatura do contrato de concessão com a empresa francesa G.L. Events para gestão do novo Centro de Convenções de Salvador, que será inaugurado em dezembro deste ano.

“Aproveitamos uma oportunidade que não poderia ser desperdiçada. [...] Teremos uma Bienal em Salvador do jeito que é o povo baiano, sem nenhum tipo de censura ou restrição à produção literária”, afirmou o prefeito.
 
ACM Neto ainda afirmou que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), “agiu de maneira equivocada” ao tentar censurar obras com temática LGBT, incluindo a HQ "Vingadores - A Cruzada das Crianças", que traz uma imagem de um beijo entre dois super-heróis.
 
Em uma rede social, o prefeito ainda fez uma menção indireta à tentativa de censura à Bienal no Rio de Janeiro: “Somos a cidade da diversidade. Aqui é proibido censurar”.

O evento será promovido pelos mesmos organizadores da Bienal do Livro do Rio de Janeiro, que informaram que a Bienal está mantida na capital fluminense. O próximo evento está marcado de 3 a 12 de setembro de 2021.
 
Conhecida por dar ao Brasil escritores como Castro Alves, Jorge Amado e João Ubaldo Ribeiro, a Bahia está sem uma bienal do livro desde 2013 por falta de espaço para abrigá-la.
 
O evento acontecia no Centro de Convenções da Bahia, gerido pelo governo do Estado. O equipamento, contudo, está interditado desde 2015, quando parte de um de seus pavilhões ruiu por problemas de manutenção. Desde estão, a cidade está sem um centro de convenções.
 
Nas tratativas para retomar a Bienal do Livro na Bahia, ainda foi definido que a prefeitura de Salvador será uma das patrocinadoras do evento na capital baiana.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.