Descrição de chapéu Cinema

Cinemateca é ocupada por militares e políticos contra 'marxismo cultural'

O deputado estadual Castello Branco, do PSL, gravou vídeo para anunciar mostra de filmes sobre o Exército na instituição

Fábio Zanini
São Paulo

Antigo matadouro municipal de São Paulo, o prédio de tijolinhos aparentes que sedia a Cinemateca Brasileira, no bairro da Vila Clementino, zona sul, tem sido frequentado por um público diferente nos últimos meses. 

Militares, alguns fardados, começaram a ser vistos em reuniões para discutir eventos e a programação cultural do órgão. Políticos e assessores com agenda conservadora passaram a dar as cartas por lá.

Com 250 mil rolos de filmes e cerca de 1 milhão de documentos, a Cinemateca é a principal instituição 
responsável pela preservação e difusão do patrimônio audiovisual brasileiro.

Subordinada ao Ministério da Cidadania, é administrada pela Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto, a Acerp, uma organização social. Esse modelo de gestão reúne características de gerenciamento privado para entidades públicas, mas não elimina a influência política sobre o órgão.

No último dia 14 de agosto, o deputado estadual Castello Branco, do PSL, capitão da reserva do Exército, gravou um vídeo na Cinemateca com a cúpula da instituição.

A seu lado estavam o superintendente do órgão, Roberto Simões Barbeiro, o assessor especial Rodrigo Morais e Lamartine Holanda, um coronel reformado do Exército que anunciou a realização de uma mostra de filmes militares para o mês que vem.

Segundo o deputado, aquela foi uma visita técnica, “com o objetivo de conhecer a instituição e sua missão”. 

Depois de todos discorrerem sobre a importância do acervo, o deputado e Morais entoaram a saudação de campanha do presidente Jair Bolsonaro, “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. 

Castello Branco e Holanda, os dois militares do grupo, então prestam continência.

Barbeiro acumulava até a última quarta a direção da Cinemateca com um cargo de assessor parlamentar no gabinete da deputada estadual Edna Macedo, do PRB, irmã do chefe da Igreja Universal dos Reino de Deus, Edir Macedo.

Nomeado em março, recebia um salário de R$ 12.310,51, mas dava expediente todos os dias na Cinemateca. 

A Assembleia Legislativa não permite acúmulo de cargos públicos, e Barbeiro deveria ter informado à Casa quando assumiu o seu posto no órgão federal.

Depois do questionamento deste repórter, ele foi exonerado pela deputada. Ela diz que desconhecia a situação. 

Em nota, Barbeiro afirmou que assumiu o cargo na Cinemateca em 24 de julho e que já havia pedido exoneração à Assembleia, que não havia se concretizado por questões burocráticas.

“A Acerp, gestora da Cinemateca, é uma organização social de direito privado e não se enquadra nos requisitos da Assembleia no que se refere ao acúmulo de cargos públicos”, afirmou. A Assembleia, no entanto, discorda desse entendimento. 

A Cinemateca, apesar de administrada por uma organização social, é uma entidade vinculada à União. Com 64 funcionários, tem previsão de receitas de R$ 11 milhões para 2019, queda de 14,7% com relação ao ano passado, em termos nominais.

Estão previstos dez eventos para o ano, sendo o carro-chefe o Festival de Curtas.

Na instituição, no entanto, Morais é visto como o chefe de fato. Oficialmente é assessor especial da Acerp, responsável por projetos.

Sua ascendência vem da força política. Foi secretário-geral do PSL paulista e é próximo do deputado federal Eduardo Bolsonaro, do mesmo partido.

Também é seguidor do ideólogo Olavo de Carvalho, defensor da tese de que a direita tem de combater a hegemonia cultural da esquerda.

A Cinemateca, segundo essa visão, seria mais um palco da guerra contra o chamado “marxismo cultural”.
No início do ano, Morais teve breve passagem pelo Ministério da Educação, como assessor do ex-ministro 
Ricardo Vélez.

Ilustração mostra militar com o pé sobre rolos de filme posando em frente à Cinemateca Brasileira
Ilustração para a capa da Ilustrada de 6.set - Francisco Bianchi

No vídeo gravado pelo deputado Castello Branco, Morais diz que, entre os projetos que pretende tocar na Cinemateca, estão um que envolve visitas a escolas e outro de educação para o cinema. 

A mostra de filmes militares também conta com o seu apoio. Segundo o organizador da exibição, o coronel Holanda, serão produções sobre a participação da Força Expedicionária Brasileira, a FEB, na Segunda Guerra Mundial.

“São telejornais da época, documentários com os pracinhas combatentes e as enfermeiras do quadro de saúde da força, além de alguns filmes da Cinemateca portuguesa com a chegada da FEB na Europa em 1944”, diz.

A seleção das produções, de acordo com Holanda, ainda está sendo fechada, e ficará sob sua responsabilidade. 

A Cinemateca cederá os filmes de seu acervo, equipamentos e o espaço para o evento, marcado para acontecer de 10 a 13 de outubro. Mas não participará da definição da programação, o que é uma prática incomum, segundo a reportagem apurou.

Holanda afirma que haverá pagamento à Cinemateca pelo evento, mas ele disse que o valor ainda não está definido.

O conteúdo da mostra, afirma, não é ideológico, mas histórico. “Não tenho ligações com nenhum partido”, diz ele, que afirma ser pesquisador e consultor de cinema desde 1994.

Em nota, a Cinemateca nega que haja um novo viés conservador na instituição. 

“Não há nenhuma orientação em relação a qualquer tipo de tema. Uma das principais missões da Cinemateca, além de preservação e restauração do acervo nacional, é abrir espaço para mostras de cinema e sua divulgação”, diz.

Procurado, Rodrigo Morais não respondeu aos questionamentos da reportagem até a conclusão desta edição.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.